Modelo de gerenciamento da capacidade produtiva: integrando teoria das restrições e o índice de rendimento operacional global (IROG)

Autores

  • Diego Augusto Pacheco UNISINOS-Universidade do Vale do Rio dos Sinos
  • José Antonio Valle Antunes Júnior UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo - RS
  • Daniel Pacheco Lacerda UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo - RS
  • Dieter Brackmann Goldmeyer UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo - RS
  • Charles Von Gilsa UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo - RS

DOI:

https://doi.org/10.14488/1676-1901.v12i3.981

Palavras-chave:

Gerenciamento de capacidade. Teoria das Restrições. Total Productive Maintenance

Resumo

Esse artigo apresenta um modelo de gerenciamento da capacidade produtiva em sistemas produtivos integrando os conceitos da Teoria das Restrições e da Total Productive Maintenance (TPM). O principal objetivo do trabalho é discutir e propor um modelo de gerenciamento da capacidade, capaz de responder às seguintes questões centrais: i) quais indicadores de capacidade devem ser considerados e como medi-los para mensurar a capacidade produtiva de sistemas de manufatura? ii) qual é a real capacidade do sistema produtivo analisado frente a uma determinada relação entre capacidade e demanda? A discussão do modelo proposto é relevante na medida em que a definição da capacidade produtiva de sistemas possibilita o melhor gerenciamento dos recursos e de suas capacidades, melhora a programação da produção no chão de fábrica e o atendimento às demandas impostas pelo mercado. Esse artigo apresenta a proposição do uso do Índice do Rendimento Operacional Global (IROG) com uma abordagem diferente da que consta na literatura tradicional que trata do tema, apresentada por Nakajima (1988). Os resultados desse artigo permitiram desenvolver um modelo capaz de determinar a capacidade do sistema produtivo e o impacto sobre a capacidade produtiva de todo o sistema, ao se considerar as não conformidades de qualidade que ocorrem após o recurso gargalo do fluxo produtivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Augusto Pacheco, UNISINOS-Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Professor no curso de Engenharia de Produçao na FACCT-RS. Mestrando em Engenharia de Produção e Sistemas pelo Programa de Pós-Graducao em Engenharia de Producao e Sistemas da Universidade do Vale do Rio dos Sinos
(UNISINOS). Graduado em Engenheiro de Produção pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos
(UNISINOS).   Técnico  em  Mecânica  pela  Fundação  Liberato.   Possui   experiência  na  área  de
Engenharia de Produção, com ênfase nos temas de: Gestão da Qualidade, Gestão da Produção e
Logística. Possui experiência na coordenação de projetos de melhoria de qualidade, produtividade
e redução de custos. Experiência na avaliação e qualificação de fornecedores e na gestão de
rotinas   de   produção.   Atualmente é consultor industrial. Atua   principalmente   nos   seguintes   temas:   Engenharia   de   Processos,
Produção Enxuta, TOC,Qualidade.

Publicado

2012-08-13

Como Citar

Pacheco, D. A., Antunes Júnior, J. A. V., Lacerda, D. P., Goldmeyer, D. B., & Von Gilsa, C. (2012). Modelo de gerenciamento da capacidade produtiva: integrando teoria das restrições e o índice de rendimento operacional global (IROG). Revista Produção Online, 12(3), 806–826. https://doi.org/10.14488/1676-1901.v12i3.981

Edição

Seção

Artigos