Estudo ergonômico da carga mental e de sintomas osteomusculares relacionados ao trabalho em um Tribunal Judiciário Federal

Aleson Belo da Silva, Amanda Braga Marques, Thiago Allan Marques de Macedo, Marco Antonio Leandro Cabral, Ricardo Pires de Souza

Resumo


Este estudo tem o objetivo de avaliar as condições ergonômicas dos servidores que atuam em serviços processuais do Tribunal Judiciário Federal, com sede no Rio Grande do Norte/Brasil, por meio da aplicação de ferramentas de avaliação de carga mental e de percepção de dores osteomusculares no contexto laboral. Com investigação focada nos domínios da ergonomia cognitiva e física por meio da demanda da organização que possui alto índice de absenteísmos ocasionados por fatores ergonômicos. Ademais, o estudo também investiga o regime do teletrabalho, realizado por mais de 50% dos servidores do quadro. A pesquisa foi desenvolvida por meio da aplicação do questionário NASA TLX, para avaliação de carga mental de trabalho no domínio da ergonomia cognitiva, e do questionário Nórdico para avaliação de sintomas osteomusculares, no domínio da ergonomia física. Os resultados revelam a necessidade de intervenção ergonômica e melhorias nas condições de trabalho para minimizar os impactos da atividade laboral nos colaboradores por meio de ações e programas de qualidade de vida no trabalho. Revelam também a necessidade de acompanhamento das atividades realizadas por meio do teletrabalho, com definição clara de processos e ações ergonômicas visando garantir o bem estar dos servidores presencialmente e em teletrabalho.


Palavras-chave


NASA TLX. Questionário Nórdico. Ergonomia. Serviço público.

Texto completo:

PDF ♪ÁUDIO♪

Referências


ABERGO, Associação Brasileira de Ergonomia. A certificação do ergonomista brasileiro - Editorial do Boletim 1/2000, Associação Brasileira de Ergonomia. 2000.

ALENCAR FILHO, João Galdino de. Ergonomia. Apostila – Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho.Recife: FESP/UPE, 1993.

BALLARDIN, L.; GUIMARÃES, L. B. M. Avaliação da carga de trabalho dos operadores de uma empresa distribuidora de derivados de petróleo. Produção, v. 19, n. 3, p. 581-592, 2009.

BARROS, E. N.C.; ALEXANDRE, N.M.C. Cross-cultural adaptation of the Nordic musculoskeletal questionnaire. International Nursing Review (INR). 2003; 50 (2): 101-08.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Dor relacionada ao trabalho: lesões por esforços repetitivos (LER): distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (Dort). Brasilia: Ministério da Saúde, 2018. (Série A. Normas e Manuais Técnicos); (Saúde do Trabalhador.

BRASIL. Ministério do Trabalho. (2007a, 26 de junho). Anexo 1 da NR 17. Portaria SIT n.º 13, de 21 de junho de 2007. Brasília, DF: Diário Oficial da União.

CARDOSO, Mariane de Souza; GONTIJO, Leila Amaral. Avaliação da carga mental de trabalho e do desempenho de medidas de mensuração: NASA TLX e SWAT. Gest. Prod. São Carlos, v. 19, n. 4, p. 873-884, Dec. 2012. Available from . access on 20 Apr. 2021.

CAVALCANTI, Leonardo Luizines de FranÇa. Um olhar ergonômico no ambiente laboral do servidor público: estudo de caso do Núcleo de Educação Física e Desportos da UFPE. 2016. 116 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Ergonomia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2016.

COLLE, H. & REID, G.B. Context effects in subjective mental workload ratings. Human Factores. vol 40 (4), p. 591-600, 1998.

DINIZ, R. L.; GUIMARÃES, L. B. M. Avaliação da carga de trabalho mental. In: GUIMARÃES, L. B. M. Ergonomia cognitiva. Porto Alegre: FEENG, 2004.

FERRARI, Andrea Lepos. Adaptação transcultural do questionário “Cultural Study of Musculo-Skeletal and other simptoms and Associated Disability” CUPID questionnaire/ Andrea Lepos Ferrari – São Paulo, 2009.

FERREIRA, M. C.; ALVES, L.; TOSTES, N. Gestão de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) no Serviço Público Federal: o descompasso entre problemas e práticas gerenciais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 25, n. 3, PP. 319-327. Brasília, 2009.

FRUTUOSO, Joselma Tavares; CRUZ, Roberto Moraes. Mensuração da carga de trabalho e sua relação com a saúde do trabalhador. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, Belo Horizonte 2005, v..3, n.1, jan-jun, p. 29-36.

GUIMARÃES, L. B. M. Ergonomia cognitiva. Porto Alegre: FEENG, 2004.

HART, S. G.; STAVELAND, L. E. Development of NASA-TLX (Task Load Index): Results of empirical and theoretical research. In: HANCOCK, P. A.; MESHKATI, N. (Eds.). Human mental workload. Amsterdam: NorthHolland, 1988. p. 139-183.

http://dx.doi.org/10.1016/ S0166-4115(08)62386-9.

IEA, Associação Internacional de Ergonomia. What is Ergonomics? Disponível em:< http://www.iea.cc/01_what/What%20is%20 Ergonomics.html> Acesso em 11 ago. 2019.

IIDA, Itiro. Ergonomia, projeto e produção. São Paulo: Edgard Blucher LTDA, 2005.

IIDA, Itiro. Ergonomia; projeto e produção. 8.ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2002.

KUORINKA I, et al. Standardised Nordic questionnaires for the analysis of musculoskeletal symptoms. Appl Ergon 1987; 18:233-7.

LAPERUTA, Dalila Giovana Pagnoncelli et al. Revisão de ferramentas para avaliação ergonômica. Revista Produção Online, Florianópolis, v. 2, n. 1, p.665-690, jan. 2018.

LIGEIRO, Joellen. Ferramentas de avaliação ergonômica em atividades multifuncionais: a contribuição da ergonomia para o design de ambientes de trabalho. 2010. 219 f. Tese (Doutorado) - Curso de Design, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita, Bauru, 2010.

MARCONI, M. D. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1996.

MÁSCULO, F. S.; VIDAL, M. C. R (Org.). Ergonomia: trabalho adequado e eficiente. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. (Abepro).

PINHEIRO, F. A.; TRÓCCOLI, B. T.; CARVALHO, C.; Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Revista Saúde Pública, São Paulo v.36, n.3, p.307-312, 2002.




DOI: https://doi.org/10.14488/1676-1901.v21i2.4307

R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com