Contribuição do círculo de controle de qualidade (CCQ) à aprendizagem organizacional: evidências em uma indústria têxtil catarinense

Rugles Carpiné Fodra, Fábio da Silva Alano, Denise Abatti Kasper Silva

Resumo


A busca por vantagens competitivas obriga as empresas a trabalharem com uma gestão voltada para a melhoria contínua. Neste cenário, crescente são as organizações que adotam ferramentas como o Círculo de Controle de Qualidade (CCQ), buscando também compreender a Aprendizagem Organizacional (AO) como fator de diferenciação. Conhecido como um modelo onde profissionais trabalham em grupo, o CCQ contribui para desenvolver melhorias. Quanto a AO, Crossan, Lane e White (1999) desenvolveram o modelo “4 I’s”, onde AO ocorre por meio dos processos de intuição, interpretação, integração e institucionalização, nos níveis individual, grupal e organizacional. Este trabalho analisou as contribuições do CCQ à aprendizagem nos níveis individual, grupal e organizacional, percebidas pelos participantes do programa de uma indústria têxtil catarinense. Para isso, foi realizado um estudo de caso, exploratório e descritivo, de abordagens quantitativa e qualitativa, com coleta de dados via aplicação de questionário e análise documental. Os dados foram analisados por meio de softwares (Excel e Minitab), além da análise guiada pelo framework dos “4 I’s”. Como resultados, constatou-se que o ambiente do CCQ oportuniza a aprendizagem nos níveis individual, grupal e organizacional e que não há diferença no nível de percepção entre os perfis de respondentes no contexto estudado.


Palavras-chave


Aprendizagem Organizacional. Círculo de Controle de Qualidade. Modelo “4 I’s”; Grupos de Trabalho. Indústria Têxtil.

Texto completo:

PDF ♪ÁUDIO♪

Referências


ANTONELLO, C. S. A metamorfose da aprendizagem organizacional: uma revisão crítica. In: RUAS, R.; ANTONELLO, C. S.; BOFF, L. H. Aprendizagem organizacional e competências. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 12-33.

BABNIK, K.; SIRCA, N. T.; DERMOL, V. Individuals learning in work teams: support to knowledge management initiatives and an important source of organizational learning. Procedia: Social and Behavioral Sciences v. 124, n. 1, p. 178-185, 2014. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2014.02.475

BRAQUEHAIS, A.; GARCIA, S. Análise do grau de institucionalização das comunidades de prática em uma empresa pública federal brasileira. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO, 2016. [Anais...]. São Paulo: KM Brasil, 2016. P. 1-16.

CAMPOS, F. A. L. Uma investigação sobre a solução de problemas a partir da experiência do CCQ: análise da teoria e prática (Dissertação de Mestrado) -Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2004.

CHEN, I. C.; KUO, M.H. C. Quality improvement: Perspectives on organizational learning from hospital-based quality control circles in Taiwan. Human Resource Development International, v. 14, n. 1, p. 91-101, 2011. https://doi.org/10.1080/13678868.2011.542901

CROSSAN, M. M., LANE, H. W., & WHITE, R. E. An organizational learning framework: from intuition to institution. Academy of Management Review, v. 24, n. 3, p. 522-537, 1999. https://doi.org/10.5465/amr.1999.2202135

CUNHA. A. M. Ciência, tecnologia e sociedade na óptica docente:

construção e validação e uma escala de atitudes (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2008.

ENDLER, K. D., & Moreira, M. F. P. Relato sobre a Implantação de um Círculo de Controle de Qualidade para o estímulo da adoção de princípios de Gestão Socioambiental na Administração Pública. Gestão, Tecnologia e Inovação. Revista eletrônica dos Cursos de Engenharia, Curitiba, v. 1, n. 2, p. 34-45, 2017.

FLEURY, A., & FLEURY, M.T.L. Estratégias Empresariais e Formação de Competências: um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria brasileira. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

FLICK, U. Desenho da pesquisa qualitativa. 1. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FODRA, R.C. Contribuições do programa de círculo de controle qualidade (ccq) para o processo de aprendizagem organizacional: o caso de uma indústria têxtil (Dissertação de Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Engenharia de Processos, Universidade da Região de Joinville. Joinville, 2019.

FUKUI, R., GIBLER, N., GONZÁLEZ-ÁVILA, R., HONDA, Y., INOUE, H., KANEKO, N., MIYAUCHI, I., SORIANO, S., & YUKA YAGI. Handbook for TQM and QCC, v. 1, n. 1, 2003.

GARLET, E. Proposta de implantação de uma sistemática de CCQ em uma empresa de pequeno porte (Dissertação de Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, 2015.

GARVIN, D. A. Building a learning organization. Harvard Business Review, v. 73, n. 1, p. 78-91, 1993. https://mycourses.aalto.fi/pluginfile.php/615870/mod_resource/content/1/Building_a_Learning_Organization.pdf. Acesso em: 15 nov. 2018.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

HAIR JR.; J.F., BLACK, W.C.; BABIN, B.J.; ANDERSON, R.E.; TATHAM, R.L. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HILL, F. M. Organizational learning for TQM through quality circles. The TQM Magazine, v. 8, n. 6, p. 53-57, 1996. https://doi.org/10.1108/09544789610152946

ISHIKAWA, K. Total Quality Control: estratégia e administração da qualidade. São Paulo: IMC Internacional Sistemas Educativos, 1986.

MACHADO, E.; PEREIRA, M.; FRANTZ, M. B. F.; FRANZONI, A. M. B.; SANTOS, A. J.; GUATHIER, F. A. O. O modelo 4is de aprendizagem organizacional: uma abordagem em instituições de ensino superior. In: COLOQUIO INTERNACIONAL SOBRE GESTIÓN UNIVERSITARIA EN AMÉRICA DEL SUR, 10., 2010. [Anais...]. (p. 1-16). Mar del Plata: INPEAU, 2010.

MALERBA, F. Learning by Firms and Technical Change. The Economic Journal, v. 102, n. 413, p. 845-859, 1992. https://doi.org/10.2307/2234581

MANFREDINI, F.; VINOTTI, C.A.; ROSA, K.C.M.; SANTOS, I. L. Proposta de avaliação da eficácia do programa de Círculo de Controle de Qualidade (CCQ). In: SEMEAD SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO PPGA/FEA/USP, 20., 2017. [Anais...] (pp. 1-15). São Paulo: FEA-USP, 2017.

MARTINS, K. D. A. Tipologia da aprendizagem organizacional: estudo empírico numa empresa moçambicana (Dissertação de Mestrado) - Gestão de Recursos Humanos. ISCTE, Lisboa, 2009

MELO, R. C.; VASCONCELOS, M. C. R. L. Aprendizagem e compartilhamento de conhecimento nos Círculos de Controle de Qualidade – CCQ de uma empresa siderúrgica. Revista Gestão & Tecnologia, v. 7, n. 1, p. 119-141, 2007.

OLIVA, C. C., & SHINYASHIKI, G. T. Estudo sobre validação de escalas de Aprendizagem Organizacional no Brasil. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 12, n. 3, p. 303-322, 2016. Disponívle em: https://www.rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/article/view/2524/543. Acesso em: 04 jan. 2019.

PHAN, A. C.; ADDALLAH, A. B.; MATSUI, Y. Quality management practices and competitive performance: Empirical evidence from Japanese manufacturing companies. International Journal of Production Economics, v. 133, n. 2, p. 518-529, 2011. https://doi.org/10.1016/j.ijpe.2011.01.024

REIS, M. M. Estatística aplicada à administração. 1. ed. Florianópolis: UFSC, 2008.

ROBBINS, S. P. Comportamento organizacional. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

SEO, Y.; LEE, C.; MOON, H. An organizational learning perspective of knowledge creation and the activities of the quality circle. Total Quality Management & Business Excellence, v. 27, n. 1, p. 432-446, 2016. https://doi.org/10.1080/14783363.2015.1009367

SHARIFF, S. H. Students’ Quality Control Circle: a case study on students’ participation in the quality control circle at the Faculty of Business and Management. Assessment & Evaluation in Higher Education, v. 24, n. 2, p. 141-146, 1999. https://doi.org/10.1080/0260293990240204

SOUZA, R. V.; TREZ, G. Mensuração em aprendizagem organizacional: adaptação de uma escala para o contexto brasileiro. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 30., 2006. [Anais...]. Salvador: ANPAD, 2006.

STEIL, A. V. Competências e aprendizagem organizacional. 1. ed. Florianópolis: Instituto Stela, 2006.

TAFVELIN, S.; SCHWARZ, U. T.; HASSON, H. In agreement? Leader-team perceptual distance in organizational learning affects work performance. Journal of Business Research, v. 75, n. 1, 1-7, 2017. https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2017.01.016

TSANG, E. W. K. Organizational Learning and the Learning Organization: a dichotomy between descriptive and prescriptive research. Human Relations, v. 50, n. 1, p. 73-89, 1997. https://doi.org/10.1177/001872679705000104

VERA, D.; CROSSAN, M. Organizational learning and knowledge management. In: EASTERBY-SMITH, M.; LYLES, M. A. The Blackwell handbook of organizational learning and knowledge management.1.nd ed. Oxford, UK: Blackwell Publishing, 2003. p. 153-180.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.




DOI: https://doi.org/10.14488/1676-1901.v21i1.4072

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com