Aplicação do diagnóstico curto como uma ferramenta de intervenção ergonômica em uma serraria na Amazônia

Agberto Castro Marinho Júnior, Moisés Andrade Coelho

Resumo


Este trabalho tem como objetivo aplicar o Diagnóstico Curto em uma serraria na Amazônia. A originalidade deste trabalho reside na aplicação de um método de intervenção ergonômica que permita identificar demandas ergonômicas iniciais, bem como aspectos relacionados à melhoria do processo produtivo, dos sistemas de trabalho e da organização como um todo. Com relação à abor-dagem do problema, este estudo caracteriza-se como qualitativo e exploratório quanto aos objetivos. Do ponto de vista dos procedimentos técnicos, a pesquisa-ação foi utilizada neste estudo na forma de um estudo de caso. A amostra utilizada no estudo foi não probabilística intencional. Destacam-se como principais resultados, a aplicação da abordagem de Diagnóstico Curto que possibilitou o conhe-cimento da empresa em um curto período de tempo; fornecendo insights para futuros projetos devido à identificação dos pontos de melhoria relacionados aos fatores produtivos e de gerenciamento; reco-nhecimento dos aspectos ergonômicos nas atividades observadas; melhorou a comunicação interna da empresa, e recomendações para projetos organizacionais e ergonômicos. Considerando as impli-cações teóricas e práticas, o trabalho enriquece a literatura relacionada à aplicação de métodos de intervenção ergonômica, além de apontar a relevância do Diagnóstico Curto como ferramenta prática para organizações de diversos portes.


Palavras-chave


Ergonomia; Métodos; Análise da atividade

Texto completo:

PDF (English) ♪ÁUDIO♪

Referências


ABRAF -Associação Brasileira dos Produtores de Florestas Plantadas. (2012). Relatório estatístico da ABRAF 2012, ABRAF. Brasília.

Abrahão, J. et al. (2009). Introdução à Ergonomia: da Prática à Teoria. São Paulo: Edgard Blucher.

Agustiady, T.K., & Cudney, E.A. (2015). Total Productive Maintenance: strategies and implementation guide. 1ª ed. Flórida: CRC Press.

Ahire, S. L., Golhar, D. Y., & Waller, M. A. (1996). Development and validation of TQM implementation constructs. Decision Sciences, 27(1), 23–56.

Ahire, S. L., & Ravichandran, T. (2001). An innovation diffusion model of TQM implementation. J. IEEE Transactions on Engineering Management, 48(4), 445–464.

Ahuja, I.P.S., Khamba, J.S. (2008). Total productive maintenance: literature review and directions. International Journal of Quality & Reliability Management, 25(7), 709-756.

ARACT - Association Régionale pour L'Amélioration des Conditions de Travail. (2009). Elvie, une méthode de diagnostic et prévention des risques psychosociaux au travail. France: Aract.

Assunção, A. A.; Sampaio, R. F.; & Nascimento, L. M. B. (2010). Agir em empresa de pequena e média dimensão para promover a saúde dos trabalhadores: o caso do setor de alimentos e bebidas. Revista Brasileira de Fisioterapia, 14 (1), 52-9.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria MTb n° 3.214, de 08 de junho de 1978. NR-6 - Equipamento de Proteção Individual – EPI, Brasília, DF, 08 jun. 1978a.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria MTb n° 3.214, de 08 de junho de 1978. NR-7 – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO, Brasília, DF, 08 jun. 1978b.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria MTb n° 3.214, de 08 de junho de 1978. NR-9 - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA, Brasília, DF, 08 jun. 1978c.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria MTb n° 3.214, de 08 de junho de 1978. NR12 - Segurança no trabalho em máquinas e equipamentos, Brasília, DF, 08 jun. 1978d.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria MTb n° 3.214, de 08 de junho de 1978. NR-17 – Ergonomia, Brasília, DF, 08 jun. 1978e.

Bureau Internacional do Trabalho. (2009). Introdução à saúde e segurança do trabalho. Genebra: ILO.

Camfield, C. R. et al.. (2006). Avaliação dos aspectos ergonômicos e das condições de trabalho em organizações madeireiras na região da Quarta Colônia. Anais XIII SIMPEP - Bauru, SP, 1- 9.

Cardoso Júnior, M. M. (2006). Avaliação Ergonômica: Revisão dos Métodos para Avaliação Postural. Revista Produção Online, 6(3), 133-154.

Cassilha, A. C. et al. (2004). Indústria Moveleira e resíduos sólidos: considerações para o equilíbrio ambiental, Revista Educação e Tecnologia, São Paulo.

Coelho, M. A.; Albuquerque, E. S.; & Vaz, L. G. N. (2015). Aplicação do Diagnóstico Curto em uma confecção da cidade de Manaus. Gestão e Saúde, 1(1), 938-954.

Costa, P. G. F. et al. (2015). A efetividade de metodologias de diagnóstico rápido em ergonomia em plataformas offshore: revisitando o conceito de modo degradado de funcionamento. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 40(132), 121-136.

Culchesk, A. S. et al. (2015). Análise ergonômica do trabalho em uma serraria, Fortaleza. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 35, 2015, Fortaleza, CE. Anais... Fortaleza, Ce: Enegep, 2015. 1-15.

Daniellou, F.; & Béguin, P. (2007). Metodologia da ação ergonômica: abordagens do trabalho real. In: Falzon, Pierre. Ergonomia. São Paulo: Blucher.

Deltor, S.; & Guérin, F. (1994). Intentions, modalities et demarche d´évaluation des diagnostics. Le Cahiers de L´Anact: évaluation du diagnostic court, n. 1, 3-6.

Dul, J.; & Weerdmeester, B. (2004). Ergonomia na prática. 2 ed.rev e ampl. São Paulo: Edgard Blucher.

Eleotério, J. R.; Storck, L.; & Lopes, J. S. (2012). Caracterização de peças de madeira produzidas em Serraria visando o controle de qualidade. Revista Ciência Florestal. Santa Maria. 6 (1), 89-99.

Franceschin, G. L. (2004). Biomassa de madeira pode gerar 28 MW de energia. FSP Saneamento e Meio Ambiente.

Fundacentro. (2001). Pontos de verificação ergonômica: soluções práticas e de fácil aplicação para melhorar a segurança, a saúde e as condições de trabalho. Rio de Janeiro: Fundacentro.

Gomes, J. I.; & Sampaio, S.S. (2004).Aproveitamento de resíduos de madeira em três empresas madeireiras do estado do Pará. Belém: Embrapa.

Guérin, F. et al. (2002). Compreender o trabalho para transformá-lo: A prática da ergonomia. São Paulo: Edgar Blucher.

Guerra, E. L. A. (2014). Manual de pesquisa qualitativa. Grupo Ănima Educação, Belo Horizonte.

Gurgel, R. F., Hékis, H.R., Souza, R.P., Moura, L.C.M., Sidrim, M.L., & Silva, L.C.F. (2017). Implementação de um novo layout visando à competitividade global no setor de customização da maior indústria de confecção de vestuário da América Latina. Future Studies Research Journal, 9(3), 69-91.

Hignett, S., & Mcatamney, L. (2000). Rapid Entire Body Assessment (REBA). Applied Ergonomics, 31 (2), 201-205.

Hirano, H. (1995). 5 Pillars of the visual workplace: the source book for 5S implementation. NewYork: Productivity Press.

Hoop, W.J., Spearman, M.L. (2013). A ciência da fábrica. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Hughes, R. E.; & Nelson, N. A. (2009). Estimating investment worthiness of an ergonomic intervention for preventing low back pain from a firm’s perspective. Applied Ergonomics, 40 (3), 457–463.

Iida, I. (2005). Ergonomia: projeto e produção. 2ª edição rev. e ampl. – São Paulo: Edgard Blucher.

ILO – International Labour Office; & IEA – International Ergonomics Association. (2014). Ergonomic checkpoints in agriculture: practical and easy-to-implement solutions for improving safety, health and working conditions in agriculture. 2. ed. Geneva: ILO/IEA.

Karwowski, W., & Marras, W. (2019). Occupational Ergonomics: principles of work design. Flórida: CRC Press.

Kumar, A., Thomas, S. A. (2002). Software tool for screening analysis of lean practices. Environmental Progress, 21(3), 12-16.

Kumar, K., & Kumar, S. (2012). Steps for implementation of 5s. International Journal of Management, IT and Engineering, 2 (6), 402-416.

Laville, A. (2007). Referências para uma história da ergonomia francófona. In:Falzon, Pierre (ed). Ergonomia. São Paulo: Blucher, 21-32.

Marconi, M. A.; & Lakatos, E. M. (2008). Metodologia científica. 5 ª ed. São Paulo: Atlas.

Mello, C. H. P. et al. (2012). Pesquisa Ação na Engenharia de Produção: Proposta de estruturação para sua condução. Produção, v. 22, n. 1, 1-13.

Miles, A. K.; & Perrewe, P. L. (2011). The Relationship Between Person–Environment Fit, Control, and Strain: The Role of Ergonomic Work Design and Training. Journal of Applied Social Psychology, 41 (4), 729–772.

Moraes, A. M; & Mont’alvão, C. R. (2000). Ergonomia, Conceitos e Aplicações. 2 Ed, Rio de Janeiro: 2AB; Serie Oficina.

Nakajima, S. (1989). Introdução ao TPM – Total Productive Maintenance. São Paulo: IMC Internacional Sistemas Educativos.

Nunes, P. A.; Melo, C. O.; & Teixeira, D. (2012). A participação do setor madeireiro na economia das microrregiões geográficas do Paraná — 2009. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável, 2 (1), 8-20.

Oliveira, G.S., Corrêa, J.E., Balestrassi, P.P., Martins, R.A., & Turrioni, J.B. (2017). Investigation of TQM implementation: empiracal study in brazilian ISO 9001 – registered SMEs. Total Quality Management & Business Excellence, 30(5-6), 641-659.

Ouellet, S., Vezina, N., Chartrand, J., Perrier, P.P., & Malo, J.L. (2003). L´implantation de la rotation de postes: un exemple de démarche préalable. Pistes, 5(2), 1-24.

Paladini, E. P. (2004). Gestão de Qualidade: Teoria e Prática. Editora: Atlas, 2ª edição. São Paulo.

Pavani, R. A. (2007). Estudo ergonômico aplicando o método Occupational Repetitive Actions (OCRA): Uma contribuição para a gestão da saúde no trabalho. 2007. 134 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente., Senac, São Paulo, 2007.

Petrônio, G. M. (2005). Administração da Produção. 2.ed. ver.aum e atual- São Paulo: Saraiva.

Prajogo, D. I., & Brown, A. (2006). Approaches to adopting quality in SMEs and the impact on quality management practices and performance. Total Quality Management & Business Excellence, 17(5), 555–566.

Saint-Vicent, M., Vezina, N., Dufour, B., Saint-Jacques, Y., & Cloutier, E. (2003). La rotation des postes: ce qu´en present des travailleurs d´une usine d´assemblage automobile. Pistes, 5(2), 1-21.

Silva, E. L.; & Menezes, E. M. (2005). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Florianópolis: UFSC.

Singh, J., Rastogi, V., & Sharma, R. (2014). Implementation of 5S practices: A Review. Uncertain Supply Chain Management, 2, 155-162.

Silva, G. C. C. (2007). Abordagem ergonômica em PMEs: um estudo de caso numa indústria de pneus remoldados. Dissertação de mestrado (Engenharia de produção). UFRJ. Rio de Janeiro.

Slack, N., Chambers, S., & Johnston, R. (2010). Operations Management. 6ª ed. England: Pearson Education.

Spearman, M. L., Zazanis, M. A. (1992). Push and pull production systems: issues and comparisons. Operations Research, 40(3), 521-532.

Takashi, Y.; & Osada, T. (1993). TPM/MTP - Manutenção produtiva total. São Paulo: IMAM.

Teixeira, E. R., Okijomoto, M. L. R., Gontijo, L. A. (2011). Índice de Levantamento da Equação do NIOSH e Lombalgia. Revista Produção Online, 11(3), 735-756.

Turati, S.A., Moroni Filho, E. (2016). Reorganização do arranjo físico da caldeiraria de uma empresa do setor metalomecânico por meio do método de Planejamento Sistemático de Layout – SLP. Gepros, 11(2), 39-51.

Vézina, N. (2003). Implantation de la rotation: quells sont les enjeux? Quelles sont les balises? Pistes, 5(2), 1-20.

Vidor, F. L. R.; Pires, M. J. R.; Dedavid, B. A.; Montani, P. D. B.; & Gabiatti, A. Inspection of Wooden Poles in Electrical Power Distribution Networks in Southern Brazil. IEEE-Institute of Electrical and Electronics Engineers, v. 25, p. 479-484. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 julho. 2018.

Womack, J. P., Jones, D. T., & Roos, D. (2004). A máquina que mudou o mundo. 10 ed. Rio de Janeiro: Elsevier.




DOI: https://doi.org/10.14488/1676-1901.v20i3.4046

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com