Aplicação de técnicas de gestão de projetos no desenvolvimento e aprimoramento de um festival multicultural alternativo sem fins lucrativos no Brasil

Vinícius Schmitt

Resumo


Devido à crescente expansão do cenário cultural independente no Brasil, surgem, a cada dia, diferentes formas de expressar e representar essas demandas que brotam no âmago da sociedade, ramificando-se em diversos expoentes, dentre os quais, existem os festivais multiculturais. O meio da contracultura não tem como objetivo principal a geração de lucro, devido a esta característica, configura-se uma deficiência de gestão, onde controle e planejamento não são tidos como fatores críticos no desenvolvimento destes festivais. O objetivo desta pesquisa visa identificar as melhores técnicas para aplicação na gestão de projetos para o desenvolvimento e aprimoramento de um festival multicultural alternativo sem fins lucrativos. Este estudo foi ambientado na busca desta meta através da imersão real no desenvolvimento e acompanhamento de dois festivais no estado do Rio Grande do Sul, assim como a aplicação e interpretação de um questionário respondido por 60 organizadores de diversos festivais em todo o território Brasileiro. Foi possível delinear o perfil de gestão nos festivais multiculturais, assim como seus desafios internos e externos. Apesar de enfrentar dificuldades iniciais, o objetivo foi alcançado e a aplicação das ferramentas nos festivais acompanhados obteve grande êxito com resultados altamente positivos e ganhos para os organizadores, aumentando a qualidade, controle e autonomia quanto a produção dos eventos.

Palavras-chave


Festival multicultural. Técnicas de gestão de projetos. Projeto e desenvolvimento de serviços. Contracultura. Sem fins lucrativos.

Texto completo:

PDF ♪ÁUDIO♪

Referências


ABEOC. Disponível em: http://www.abeoc.org.br. Acesso em: 20 mar. 2016.

ABRAFESTA. Disponível em: http://www.abrafesta.com.br. Acesso em: 20 mar. 2016.

ALBUQUERQUE, José de Lima et al. (Org.) Gestão ambiental e responsabilidade social: conceitos, ferramentas e aplicações. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 326p.

CLEMENTE, Ademir (Org.) et al. Projetos empresariais e públicos. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2008. 344p.

COOK, David P.; GOH, Chon-Huat; CHUNG, Chen H. Service typologies: A state of the art survey. Production and Operations Management. USA, v. 8, n. 3, p. 318-338, 1999. https://doi.org/10.1111/j.1937-5956.1999.tb00311.x

CULTURA VIVA. Disponível em: http://www.culturaviva.gov.br. Acesso em: 17 mar. 2016.

DICIO. Dicionário Online de Português. Disponível em: https://www.dicio.com.br. Acesso em: 09 abr. 2016.

GLOBAL REPORTING INITIATIVE. Diretrizes para relatório de sustentabilidade. 2009. Disponível em: http://www.globalreporting.org. Acesso em: 05 maio 2016.

IOSCHPE, Evelyn Berg. 3º Setor: desenvolvimento social sustentado. 2 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000. 173p.

MELLO, Carlos Henrique Pereira et al. Gestão do processo de desenvolvimento de serviços. São Paulo: Atlas, 2010. 194p.

MARTINS, Jose Carlos. Gerenciando projetos de desenvolvimento de software com PMI, RUP e UML. Rio de Janeiro: Brasport, 2007. 356p.

MINISTÉRIO DA CULTURA. Apoio a projetos. Disponível em: http://www.cultura.gov.br/apoio-a-projetos. Acesso em: 05 abr. 2016.

PMI - PROJECT MANAGEMENTE INSTITUITE. Guia PMBOK. 5 ed. Pensilvânia, USA: PMI Publications, 2013. 589p.

SACHS, Ignacy. Estratégias de Transição para o Século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Studio Nobel, 1993. 103p.

SEBRAE. O que é ser empreendedor. 2016. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/bis/o-que-e-ser-empreendedor,ad17080a3e107410VgnVCM1000003b74010aRCRD. Acesso em: 22 abr. 2016.

SILVESTRO, L.; FITZGERALD, L.; JOHNSTON, R. Towards a classification of service process. International Journal of Service Industry Management. USA, v. 19, n. 4, p. 399-420, 1992.




DOI: https://doi.org/10.14488/1676-1901.v20i4.3270

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com