Identificar e quantificar os metais presentes da lama de aciaria e propor uma destinação

Alex Sibucks, Charles Giovani de Oliveira, José Roberto Molica Filho, Janaina da Costa Pereira Torres de Oliveira, Valmir Torres de Oliveira

Resumo


Atualmente a geração de resíduos industriais tem sido uma grande preocupação para sociedade e o meio-ambiente em que vivemos, por afetar diretamente as nossas vidas, seja por poluição, adequação às mudanças do ambiente, entre outras. Uma das indústrias que mais geram resíduos, atualmente, são as indústrias siderúrgicas que realizam vários processos para o aprimoramento e refino do metal bruto encontrado na natureza. A aciaria é a unidade de uma usina siderúrgica onde se gera uma grande quantidade de resíduos sólidos ou até mesmo líquidos que são de grande importância pela sua reutilização em diversos setores como na produção de cimentos, estradas entre outros. Dois importantes resíduos de aciaria são a escória e a lama. A identificação e quantificação dos metais presentes nos resíduos de aciarias é o primeiro passo para o entendimento de como esses resíduos podem ser manipulados e transformados em novos insumos industriais ou produtos comercializáveis, ajudando na redução de resíduos descartados e aumentando a eficiência da indústria. Este trabalho tem como objetivo identificar e quantificar os metais presentes na lama de aciaria, e propor sua destinação. Análises químicas e físicas foram realizadas em laboratório para identificar e quantificar a lama de aciaria, sendo que o metal presente com maior quantidade em massa foi o ferro, porém bem abaixo do esperado, limitando sua aplicação, portanto, foi proposto a utilização da lama como agregado miúdo na fabricação de lajotas e outros materiais cerâmicos.


Palavras-chave


Siderurgia. Resíduo sólido. Lama de aciaria.

Texto completo:

PDF ♪ÁUDIO♪

Referências


ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Amostragem de Resíduos: NBR 10007:2004. Disponível em: https://sites.unicentro.br/wp/educacaoambiental/files/2017/04/NBR-10007.pdf. Acesso em: 10 jun. 2017.

APPOLINÁRIO, F. Metodologia científica. 1. ed. São Paulo, SP: Cengage, 2016.

ARCELOR MITTAL BRASIL. Escória de aciaria LD. 2015. Disponível em: http://tubarao.arcelormittal.com/produtos/co_produtos/catalogo_produtos/escoria_aciaria_ld/introducao.asp. Acesso em: 31 out. 2017.

BRANCO, V. T. F. C. B. Caracterização de Misturas Asfálticas com o uso de Escória de Aciaria como Agregado. Disponível em: http://wwwp.coc.ufrj.br/ teses/mestrado/geotecnia/2004/Teses/BRANCO_VTFC_04_t_M_geo.pdf . Acesso em: 15 jul. 2017.

CALLISTER Jr, W. D. Ciência e engenharia de materiais: uma introdução. Rio de Janeiro, LTC, 2008.

CGEE, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Siderurgia no Brasil: 2010-2025. Brasília, 2010.

DILDIN, A. N.; CHUMANOV, I. V. Study of the Processes of Metal Recovery from Steel Slags. Indian Journal of Science and Technology, v. 8, n. 34, p. 1-7, 2015. https://doi.org/10.17485/ijst/2015/v8i34/85338

DINIZ, A. G. F.; OLIVEIRA, I. L. Influência das fontes de alumínio secundário na geração de escória: uma análise estatística. Revista Produção online, v. 9, n. 2, p. 284-302, 2009. https://doi.org/10.14488/1676-1901.v9i2.271

ERENO, D. Resíduo vira aço. Lama recuperada retorna ao processo produtivo na CSN. Pesquisa FAPESP. ed. 134. Abril de 2007. Disponível em: http://revistapesquisa.fapesp.br/2007/04/01/residuo-vira-aco/. Acesso em: 14 nov. 2017.

NASCIMENTO, O. N.. Manual de instruções q317m estufa microprocessada de secagem com timer. QUIMIS: São Paulo, 2012.

PROLAB. Saiba o que é e como funciona um forno mufla, 2014. Disponível em: http://www.prolab.com.br/blog/saiba-o-que-e-e-como-funciona-um-forno-mufla/. Acesso em: 13 dez. 2017.

RONDA FILHO, W. M. M. Levantamento dos resíduos sólidos gerados no refino primário (aciaria LD) de ferro gusa. Rio de Janeiro: UFRJ/Escola Politécnica, 2016.

SILVA, A. J. Estudos dos principais processos metalúrgicos de aciaria (EOF, FEA, LD). Divinópolis: Faculdade Pitágoras / Unidade Divinópolis, 2013. 54 p.

SOUZA, E. L.; ARAÚJO, F. G. S.; TENORIO, J. A. S.; GOMES, J. E. L.; OLIVEIRA, C. P. Tratamento de lamas siderúrgicas com o objetivo de recuperar seu teor metálico. In: CONGRESSO ANUAL DA ABM, 57., 2002. Anais... São Paulo, 2002.

SOUZA, E. B. de O. Escórias de aciaria e resíduos de concretos refratários em componentes de pavimentação. Belo Horizonte, UFMG, 2007. Disponível em: http://www.smarh.eng.ufmg.br/defesas/259M.PDF. Acesso: 25 out. de 2017.

TOLEDO JUNIOR, F. G.; MELO, W.Evolução de processo de aciaria.Coronel Fabriciano, UNILESTE, 2015. Disponível em: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAgwLAAK/evolucao-processo-aciaria. Acesso em: 31 out. de 2017.

WANDEKOKEN, F. G. Desenvolvimento de método para a quantificação de porfirinas de vanadila em frações de petróleo por cromatografia líquida de alta eficiência com injeção em fluxo e espectrometria de massas com plasma indutivamente acoplado. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-RIO, 2016. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/12188/12188_5.PDF. Acesso em: 13 dez. 2017.




DOI: https://doi.org/10.14488/1676-1901.v19i1.3230

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com