Trabalhador portuário e operação em porão: um estudo no ambiente portuário do Espírito Santo

Erivelto Fioresi de Sousa, Pedro Paulo Zucarato, Edson Pimentel Pereira, Larissa Amaral Rody, Maria Victória Soares, Carlos Henrique Torres, Leonardo Mendonça Salles, Wellison Galvão

Resumo


Os portos são elos importantes da cadeia logística no desenvolvimento do comércio internacional e a expansão do comércio exterior. O aumento da intensidade e da produtividade pode ocasionar um afastamento do foco na qualidade de vida no trabalho. Parte dos trabalhadores portuários desenvolve atividades de estivagem de carga nos porões dos navios com empilhadeiras movidas a diesel. Nesse contexto, buscou-se investigar a evidência de altos níveis de particulados e gases poluentes ligados à queima de diesel nas operações de estivagem em porão de navio. Os resultados mostram que existem evidências de altos níveis de poluentes que poderão ser atenuados, com a adoção da tecnologia de motores prevista em programa governamental de controle de emissões veiculares.

Palavras-chave


Emissões Diesel. Trabalhador Portuário. Produtividade. Qualidade de Vida no Trabalho.

Texto completo:

PDF ♪ÁUDIO♪

Referências


ABNT. NBR 14489. Motor Diesel - Análise e determinação dos gases e do material particulado emitidos por motores do ciclo diesel - Ciclo de 13 pontos. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2000.

ALMEIDA, M. C. V. D. et al. Trabalhador portuário: perfil de doenças ocupacionais diagnosticadas em serviço de saúde ocupacional. Acta Paulista de Enfermagem, v. 25, n. 2, p. 270-6, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000200018

AQUINO, A. D. S.; FERNANDES, A. C. P. Qualidade de vida no trabalho. Journal of the Health Sciences Institute, v. 31, n. 1, 2013.

BITENCOURT, R. S.; GUIMARÃES, L. B. D. M.; SANTOS, P. H. D. Uma aplicação inclusiva da macroergonomia no setor industrial calçadista. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ERGONOMIA – ABERGO. Anais... Curitiba, Paraná, 29 de outubro a 02 de novembro. 2006.

BRASIL. LEI 12.815, de 05 de junho de 2013. Dispõe sobre a exploração direta e indireta pela União de portos e instalações portuárias e sobre as atividades desempenhadas pelos operadores portuários; altera as Leis nos 5.025, de 10 de junho de 1966; 10.233, de 5 de junho de 2001; 10.683, de 28 de maio de 2003; 9.719, de 27 de novembro de 1998; e 8.213, de 24 de julho de 1991; revoga as Leis nos 8.630, de 25 de fevereiro de 1993, e 11.610, de 12 de dezembro de 2007, e dispositivos das Leis nos 11.314, de 3 de julho de 2006, e 11.518, de 5 de setembro de 2007; e dá outras providências. 2013. Brasilia: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 05 de junho de 2013.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 18, de 6 de maio de 1986. Dispõe sobre a criação do Programa de Controle de Poluição do Ar por veículos Automotores – PROCONVE. Diário Oficial da União, 17 jun. 1986.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 8, de 31 de agosto de 1993. Complementa a Resolução nº 018/86, que institui, em caráter nacional, o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE, estabelecendo limites máximos de emissão de poluentes para os motores destinados a veículos pesados novos, nacionais e importados. Diário Oficial da União, 31 dez, 1993.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 315, de 29 de outubro de 2002. Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões veiculares – PROCONVE. Diário Oficial da União, 20 nov, 2002.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 403, de 11 de novembro de 2008. Dispõe sobre a nova fase de exigência do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores PROCONVE para veículos pesados novos (Fase P-7) e dá outras providências. Diário Oficial da União, 12 nov., 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasilia: Ministério da Saúde, 2001.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. I Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por Veículos Automotores Rodoviários. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Brasilia, 2011. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/163/_publicacao/163_publicacao27072011055200.pdf. Acesso em: ago, 2015.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por Veículos Automotores Rodoviários - Relatório Final. Brasilia: Ministério do Meio Ambiente, 2014. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/182/_arquivos/inventrio_de_emisses_veiculares_182.pdf. Acesso em: ago, 2015.

CEZAR-VAZ, M. et al. Doenças relacionadas ao trabalho autorreferidas por trabalhadores portuários avulsos. Ciência, cuidado e saúde, v. 9, n. 4, p. 774-781, 2010. DOI: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v9i4.11928

CHIAVENATO, I. Recursos humanos na empresa: pessoas, organizações e sistemas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1994.

CONTE, A. L. Qualidade de vida no trabalho. Revista FAE business, v. 7, p. 32-34, 2003.

DRISCOLL, T. et al. Occupational carcinogens assessing the environmental burden of disease at national and local levels. In: (Ed.). Environmental burden of disease series: OMS, v.6, 2004.

FERNANDES, E. C. Qualidade de vida no trabalho: como medir para melhorar. Casa da Qualidade, 1996. ISBN 858565113X.

FERNANDES, L. C.; FERREIRA, M. C. Qualidade de vida no trabalho e risco de adoecimento: estudo no poder judiciário brasileiro. Psicologia USP, v. 26, n. 2, p. 296-306, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-656420130011

FERREIRA, M. C. Ergonomia da Atividade aplicada à Qualidade de Vida no Trabalho: lugar, importância e contribuição da Análise Ergonômica do Trabalho (AET). Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 40, n. 131, p. 18-29, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0303-7657000074413

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES, M. J. M. Ambiente e pulmão. Jornal de Pneumologia, v. 28, n. 5, p. 261-9, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-35862002000500004

GUARIEIRO, L. L.; VASCONCELLOS, P. C.; SOLCI, M. C. Poluentes atmosféricos provenientes da queima de combustíveis fósseis e biocombustíveis: uma breve revisão. Revista Virtual de Química, v. 3, n. 5, p. 434-445, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1984-6835.20110047

GUIMARÃES, J. R. P. D. F. Toxicologia das emissões veiculares de diesel: um problema de saúde ocupacional e pública. Revista de Estudos Ambientais, v. 6, n. 1, p. 82-94, 2004.

HOLGATE, S. T. et al. Health effects of acute exposure to air pollution. Part I: Healthy and asthmatic subjects exposed to diesel exhaust. Research Report (Health Effects Institute), n. 112, p. 1-30; discussion 51-67, 2003.

LACAZ, F. A. D. C. Qualidade de vida no trabalho e saúde/doença. Ciência & Saúde Coletiva, vol.5, n.1, p. 151-161, 2000. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232000000100013

LEITE, D. F.; NASCIMENTO, D. D. G. D.; OLIVEIRA, M. A. D. C. Qualidade de vida no trabalho de profissionais do NASF no município de São Paulo. Physis (Rio J.), v. 24, n. 2, p. 507-525, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000200010

MARQUES, V. D. C. F. R. Avaliação de risco de exposição dos trabalhadores a matéria particulada em instalações portuárias. 2013. 78 Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

MONTEIRO, E. F.; VIEIRA, A. M.; PEREIRA, R. D. S. Qualidade de Vida no Trabalho na Economia Solidária: Estudo em uma Cooperativa de Catadores do ABC Paulista. Práticas em Contabilidade e Gestão, v. 2, n. 1, 2015.

MORETTI, S.; TREICHEL, A. Qualidade de vida no trabalho x auto-realização humana. Revista Leonardo pós-Órgão de Divulgação Científica e Cultural do ICPG, Blumenau, v. 1, n. 3, p. 73-80, 2003.

SILVA, J. D. S. D. Caracterização de espécies orgânicas e inorgânicas presentes no material particulado atmosférico da Baía de Todos os Santos e Salvador-Bahia. 2014. Tese (Doutorado). Instituto de Química, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

SOARES, J. F. D. S. et al. Percepção dos trabalhadores avulsos sobre os riscos ocupacionais no porto do Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 24, n. 6, p. 1251-1259, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000600006

TIMOSSI, L. D. S. et al. Adaptação do modelo de Walton para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho. Revista da Educação Física/UEM, v. 20, n. 3, p. 395-405, 2009. DOI: https://doi.org/10.4025/reveducfis.v20i3.5780

VASCONCELOS, A. F. Qualidade de vida no trabalho: origem, evolução e perspectivas. Caderno de pesquisas em Administração, v. 8, n. 1, p. 23-35, 2001.

VIEIRA, D. F. V.; HANASHIRO, D. M. M. Visäo introdutória de qualidade de vida no trabalho. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 11, n. 2, p. 41-6, 1990.

WALTON, R. E. Quality of working life: what is it? Sloan management review, v. 15, n. 1, p. 11, 1973.

WALTON, R. E. Improving quality of work life. Harvard Business Review, v. 12, n. 155, p. 12-19, 1974.




DOI: https://doi.org/10.14488/1676-1901.v19i2.2963

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com