Revisão de ferramentas para avaliação ergonômica

Dalila Giovana Pagnoncelli Laperuta, Gilson Adamczuk Oliveira, Sergio Luiz Ribas Pessa, Roger Poglia da Luz

Resumo


O propósito deste artigo é analisar os métodos/ferramentas de avaliação ergonômica por meio da identificação e definição dos métodos, incidência de publicações e análise de especialistas. Utilizando ajuste das séries históricas por ajuste de séries temporais, obteve-se uma tendência linear ascendente em publicações para 23 dos 24 métodos identificados neste estudo, sendo os mais frequentes: NIOSH, fanger, NASA-TLX, OWAS, REBA e RULA. O método NIOSH, o mais incidente em publicações, foi muito bem avaliado pelo grupo, tendo sido utilizado por todos os especialistas consultados. Os métodos NASA-TLX (3º) e REBA (5º) também foram bem avaliados e utilizados pelos ergonomistas, ficando acima da média de avaliação e uso. Embora a consulta aos especialistas gere resultados semelhantes à investigação quantitativa, sua maior contribuição é de caráter qualitativo, cujas percepções fundamentam a análise crítica dos métodos de avaliação ergonômica sob a luz da literatura. Concluiu-se que, em complemento a essas informações, é preciso considerar a particularidade da tarefa e a experiência do profissional de ergonomia no processo de escolha do método de avaliação ergonômica. Por fim, identificou-se muitos métodos semelhantes, derivados ou associados entre si, sendo necessário estudar o processo de análise e avaliação ergonômica em busca de perspectivas para uma abordagem de avaliação ergonômica unificada (estudos futuros).


Palavras-chave


Avaliação ergonômica. Ferramentas ergonômicas. Ergonomia

Texto completo:

PDF ♪ÁUDIO♪

Referências


AKAIKE, H. ‘A new look at the statistical model identification’. IEEE Transactions on Automatic Control v. 19, p. 716–723, 1974. DOI: https://doi.org/10.1109/TAC.1974.1100705

ALAHMAER, Ali. et al. Analysis of vehicular cabins’ thermal sensation and comfort state, under relative humidity and temperature control, using Berkeley and Fanger models. Building and Environment. United States, 2012.

APTEL, Michel et al. Proposal of parameters to implement a workstation rotation system to protect against MSDs. International Journal of Industrial Ergonomics, v.38, p.900-909. Dezembro de 2008.

BARROS, Ruberth A. A. Sistema para análise ergonômica do trabalho com uso de câmeras de profundidade. JORNADA DE INFORMÁTICA DO MARANHÃO, Anais… 2014.

CABEÇAS, José Miquel. The risk of distal upper limb disorder in cleaners: A modified application of the Strain Index Method. International Journal of Industrial Ergonomics, v.37, p. 563-571, jun. 2007.

CALLEJÓN-FERRE, A. J. et al. Ergonomics and psycho-sociological quality indeces in greenhouses. Spanish Journal of Agricultural Research, Almería, Espanha 2009.

CARDOSO, Mariane de Souza. GONTIJO, Leila Amaral. Avaliação da carga mental de trabalho e do desempenho de medidas de mensuração: NASA TLX e SWAT. Revista Gestão & Produção, v.19, n.4, p. 873-884. São Carlos, 2012.

CARDOSO JR, Moacyr Machado. Avaliação Ergonômica: Revisão dos métodos para avaliação postural. Revista Produção online v. 6, n. 3, dez. 2006.

CARVALHO, Alex Luis. MENEGON, Nilton Luiz. A pertinência dos documentos prescritos nas atividades dos profissionais de manutenção industrial: o caso de uma indústria automobilística. Revista Gestão & Produção, v. 21, n. 1, p. 143-155. São Carlos, 2014.

CCOO – Comissió Obrera Nacional de Catalunya. Curso Básico de Salud Laboral. Disponível em: www.ccoo.cat/pdf_documents/SL%2022%20Evaluaci%C3%B3n%20de%20Riesgos.pdf. Acesso em: 08 jan. 2015.

CHIASSON, Marie-Ève et al. Comparing the results of eight methods used to evaluate risk factors associated with musculoskeletal disorders. International Journal of Industrial Ergonomics, v.42, p. 478-488, Setembro de 2012.

COLOMBINI, Daniela. OCCHIPINTI, Enrico. Preventing upper limb work-related musculoskeletal disorders (UL-WMSDS): New approaches in job (re)design and current trends in standardization. Applied Ergonomics, v.37, jul. 2006.

COSTA, Christiane Kelen Lucena da. et al. Avaliação Ergonômica do trabalhador rural: enfoque nos riscos laborais associados à carga física. Revista GEPROS – Gestão da Produção, Operações e Sistemas, Ano 6, n. 2, 2011.

COSTA, Josiane Ferreira. SOUZA, Sueli Tavares de Melo. Projeto ergonômico das condições de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de montagem de chicotes elétricos. Projética, v.5, n.2. Londrina – Paraná, dezembro de 2014.

DEFANI, Junior Clacindo. Avaliação do perfil antropométrico e análise dinamométrica dos trabalhadores da agroindústria do setor de frigoríficos do setor de frigoríficos e abatedouros: o caso da Perdigão – Carambeí. Dissertação (Mestrado) - Programa de pós-graduação em engenharia de produção – UTFPR, Ponta Grossa, 2007.

DIEGO-MÁS, José Antonio. CUESTA, Sabina Asensio. LEST (Laboratorio de Economia y Sociologia del Trabajo). Universidad Politecnica de Valencia. Disponível em: http://www.ergonautas.upv.es/metodos/LEST/LEST-ayuda.php Acessado em janeiro de 2015.

DOCKRELL, Sara et al. An investigation of the reliability of Rapid Upper Limb Assessment (RULA) as method of assessment of children’s computing posture. Applied Ergonomics, n. 43, 2012.

DOUWES, M., KRAKER, H. de. Development of a non-expert risk assessment method for hand-arm related tasks (HARM). International Journal of Industrial Ergonomics, v.44, p.316-327. Março de 2014.

DUL, Jan. WEERDMEESTER, B. A. Ergonomia prática. 2.ed. ver. e ampl. São Paulo: Editora Blücher, 2004.

ERGO, Cadernos. Gestão da Qualidade no PCMSO. Equação do NIOSH para Levantamento Manual de Cargas. Ergo Editora Ltda. Ergonomia, Saúde e Segurança - n.1, out./dez. 2006.

ETUI – Instituto Sindical Europeu. Guia: classificação dos métodos de avaliação e/ou prevenção dos riscos de Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT).

FALCÃO, Franciane da Silva. Métodos de avaliação biomecânica aplicados a postos de trabalho no pólo industrial de Manaus (AM): uma contribuição para o design ergonômico. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Bauru, SP, 2007.

GUÉRIN, F. et. al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo: Editora Edgard Blucher Ltda, 2006.

GUIMARÃES, Lia Buarque de Macedo. Ergonomia de produto: antropometria, fisiologia e biomecânica. Porto Alegre, RS, 2004.

IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produção. 2. ed. São Paulo: Editora Blucher, 2005.

INSHT, Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el trabajo. Tarefas repetitivas: método Ergo/IBV de evaluación de riesgos ergonómicos. Notas Técnicas de Prevención nº 844. Ano de publicação: 2009.

KEE, Dohyung. KARWOWSKI, Waldemar. LUBA: an assessment technique for postural loading on the upper body based on joint motion discomfort and maximum holding time. Applied Ergonomics, v.32 p. 357-366, ago. 2001.

LAVILLE, Antoine. Ergonomia. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária Ltda, 1977.

LIMA, João Ademar de Andrade. Metodologia de análise ergonômica. Monografia (Especialização) - UFPB, João Pessoa, 2003.

LIMA, João Ademar de Andrade. Bases teóricas para uma metodologia de análise ergonômica. PUC-RJ. ERGODESIGN - CONGRESSO INTERNACIONAL DE ERGONOMIA E USABILIDADE DE INTERFACES HUMANO-TECNOLOGIA: PRODUTOS, PROGRAMAS, INFORMAÇÃO, AMBIENTE CONSTRUÍDO, 4., 2004. Anais... Rio de Janeiro – RJ, maio de 2004.

MACÊDO, Cristianne Silva et al. Avaliação do índice TOR-TOM no processo de soldagem em indústria automotiva de duas rodas do Pólo Industrial de Manaus. INGEPRO – Inovação, Gestão e Produção, 2010.

MÁSCULO, Francisco Soares. VIDAL, Mario Cesar, (Orgs). Ergonomia: trabalho adequado e eficiente. Rio de Janeiro: Elsevier / ABEPRO 2011.

MICHAELIS. Dicionário de português online. Editora Melhoramentos, 2009.

TEM. Ministério do Trabalho e Emprego. http://portal.mte.gov.br. Dezembro, 2014.

NAKANO, Davi. Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier: ABEPRO, 2012.

OLIVEIRA, Graciela Santos J. F. et al. Conforto térmico no ambiente de trabalho: avaliação das variáveis subjetivas da percepção do calor. SEGET – SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 7, 2010. Anais...

OSHA. Agência europeia para a segurança e saúde no trabalho: a ferramenta KIM: método Indicador chave. Acessado em: 09 de janeiro de 2015. Disponível em: https://osha.europa.eu/pt/topics/msds/slic/handlingloads/19.htm

PACOLLA, Sileide A. de Oliveira. SILVA, José Carlos Plácido. Revisão de Metodologias de Avaliação Ergonômica Aplicadas à Carteira Escolar: uma abordagem analítica e comparativa. Revista Design e Ergonomia: aspectos tecnológicos (online). São Paulo, 2009.

PESSA, Sergio L. R. Análise do trabalho nos três turnos do setor de corte e solda e impressão de uma indústria de embalagens plásticas flexíveis de alimentos, considerando o cronotipo do trabalhador. 2010. Tese (Doutorado) – Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção, UFRGS, 2010.

REID, G. B., EGGEMEIER, F.T. e SHINGLEDECKER, C. A. Frazier and R.B. Crombie (Eds). Proceeding of the workshop on flight testing to identify pilot workload and pilot dynamics. AFFTC-TR-82-5, 1982. Acesso em: http://www.dtic.mil/dtic/tr/fulltext/u2/a129333.pdf

ROMAN-LIU, Danuta. Comparison of concepts in easy-to-use methods for MSD risk assessment. Applied Ergonomics, v. 45, p. 420-427. Maio de 2014.

SNYDER, Ralph D. ORD, Keith. Exponential smoothing and the akaike information criterion. Department of Econometrics and Business Statistics. Junho de 2009.

SOARES, Elaine Victor Gonçalves. SILVA, Liane Marcia Freitas e. Estudo ergonômico e propostas de melhorias em postos de trabalho de uma empresa de mineração. VII

SEPRONe – SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA REGIÃO NORDESTE. Mossoró-RN, 7., 2012. Anais….

SONNE, Michael et al. Development and evaluation of an office ergonomic risk checklist: ROSA – Rapid office strain assessment. Applied Ergonomics, v.43, p. 98-108, jan. 2012.

TALAIA, Mário et al. Riscos naturais antrópicos e mistos. UC - Universidade de Coimbra. Livro-homenagem ao professor doutor Fernando Rebelo. Coimbra, 2013. Disponível em: http://www.uc.pt/fluc/depgeo/Publicacoes/livro_homenagem_FRebelo/. Acesso em: janeiro de 2015.

WISNER, A. Por dentro do trabalho. São Paulo: FTD/Oboré, 1987.




DOI: https://doi.org/10.14488/1676-1901.v18i2.2925

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com