Metodologia ativa de ensino-aprendizagem em operações de manufatura: abordagens da teoria das restrições por meio do uso do opt game

Elisandro João De Vargas, Jocimara de Lima Mauer, Marcelo Alves de Souza, Jayme Diego Silva Peixoto, Davenílcio Luiz de Souza

Resumo


É importante a adoção de meios que facilitem aos alunos construírem seu conhecimento teórico e prático em assuntos relacionados a operações de manufatura. Nesse sentido, o objetivo deste artigo é apresentar o uso da metodologia ativa de ensino-aprendizagem na compreensão das abordagens da Teoria das Restrições (TOC) em operações de manufatura. Por meio de simulação com o uso do OPT Game, são apresentadas conexões entre o processo da TOC com os indicadores globais e operacionais, as regras do OPT, a sincronização da produção e o tambor-pulmão-corda. Caracteriza-se uma pesquisa aplicada, exploratória, descritiva e explicativa, por meio da técnica de simulação. O OPT Game foi aplicado em uma turma de mestrandos. Os resultados demonstraram que os alunos se sentiram motivados com a atividade, auxiliando-os na compreensão entre teoria e prática das abordagens da TOC; do qual foi considerado importante recurso facilitador à aprendizagem.

Palavras-chave


Metodologia Ativa de Ensino-Aprendizagem. Operações de Manufatura. Teoria das Restrições. OPT Game.

Texto completo:

PDF ♪ÁUDIO♪

Referências


ANTUNES JR, J. Comparação crítica entre os princípios gerais que regem a Teoria das Restrições (TOC) e a teoria que sustenta a construção dos sistemas de produção com estoque zero (SPEZ): no sentido da construção de uma teoria geral das melhorias no processo. In: ENANPAD, 22.,1998. Anais..., 1998.

ANTUNES, José A.V.J. et al. Sistemas de produção: conceitos e práticas para projeto e gestão da produção enxuta. Porto Alegre: Bookman, 2008.

ARBEX, M. A. O valor pedagógico dos jogos de empresa na aprendizagem de gestão de negócios. Revista FAE, v. 8, n. 2, p. 81–89, 2005.

BARBOSA, E.; MOURA, D. Metodologias ativas de aprendizagem na Educação Profissional e Tecnológica. B. Tec. SENAC, v. 39, n.2, p.48-67, 2013.

BLACKSTONE, J. Revisão da literatura sobre tambor-pulmão-corda, gerenciamento de pulmões e distribuição. In: COX III, J.; SCHLEIER, Jr. J. (org.). Handbook da teoria das restrições. Porto Alegre: Bookman, 2013

BONWELL, C.; EISON, J. Active Learning: Creating Excitement in the Classroom, ASHE-ERIC Higher Education Report No. 1. The George Washington University, School of Education and Human Development. Washington, D.C. 1991.

BOUYER, G.; SZNELWAR, L.; COSTA, M. Aprendizagem estratégica e aquisição conceitual no ensino de gestão de operações. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, ABEPRO, 25, 2005. Anais.... Porto Alegre, RS, Brasil., v. 29, 2005.

BOUZADA, M. A. C. “Jogando” logística no Brasil. Revista de Gestão, v. 19, n. 4, p. 647–668, 2012. https://doi.org/10.5700/rege483

BRUNER, Jerome S. The act of discovery. Harvard Educational Review, v.31, p. 21–32, 1961.

CARISSIMI, A. Virtualização: da teoria a soluções. Minicursos do Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores - SBRC, 2008. Disponível em:

CARMO, B. B. T. DO; BARROSO, S. H. DE A.; ALBERTIN, M. R. Aprendizagem discente e estratégia docente: metodologias para maximizar o aprendizado no curso de engenharia de produção. Revista Produção Online, v. 10, n. 4, p. 779, 21 nov. 2010. http://dx.doi.org/10.14488/1676-1901.v10i4.474

COX III, J.; SPENCER Michael. S. Manual da teoria das restrições. Porto Alegre: Bookman, 2008.

FERNANDES BRUM, K.; PURCIDONIO, P. M.; FERREIRA, M. L. Aprendizagem ativa no ensino de engenharia de métodos: uma experiência no CEFET/RJ. Revista Produção Online, v. 17, n. 3, p. 956, 15 set. 2017. http://dx.doi.org/10.14488/1676-1901.v17i3.2739

FIGUEIREDO, Júlio C. B.; PEREIRA, Susana C. F.; VASCONCELLOS, Luis H. R. Desenvolvimento e Aplicação de um Modelo de Ensino da Teoria das Restrições com Base em uma Abordagem Multiagente. Revista de Administração da Unimep-Unimep Business Journal, v. 11, n. 1, p. 134-155, 2013.

FIGUEIREDO, J. Modelo Computacional para Simulação de Aplicação da Teoria das Restrições. Revista Alcance, v. 17, n. 2, p. 19-31, 2010. http://dx.doi.org/10.14210/alcance.v17n2.p019-031

FILHO, Tito Armando Rossi. et al. Aplicação do Processo de Pensamento da Teoria das Restrições para o desenvolvimento sustentável: uma proposição teórica. Revista Espacios. vol. 33, n. 8, 2012.

GOLDRATT, E. A Síndrome do palheiro: garimpando informações num oceano de dados. São Paulo, IMAM, 1991.

GOLDRATT, E. Computerized shop floor scheduling. The International Journal of Production Research, v. 26, n. 3, p. 443-455, 1988. http://dx.doi.org/10.1080/00207548808947875

GOLDRATT, E. Introdução à TOC: minha visão. In: COX III, JAMES F; SCHLEIER, JR. JOHN G (org.). Handbook da teoria das restrições. Porto Alegre: Bookman, 2013.

GOLDRATT, E.; COX, J. A meta: um processo de melhoria continua. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Nobel, 2011. 365p.

GUPTA, M.; BOYD, L. Theory of constraints: a theory for operations management. International Journal of Operations & Production Management, v. 28, n. 10, p. 991-1012, 2008. https://doi.org/10.1108/01443570810903122

LACERDA, D.; RODRIGUES, L. Analisando algumas ferramentas de Análise de Investimentos à luz da Teoria das Restrições. In: SEGET – SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 2007.

MABIN, V.; BALDERSTONE, S. The performance of the theory of constraints methodology: analysis and discussion of successful TOC applications. International Journal of Operations & Production Management, v. 23, n. 6, p. 568-595, 2003. https://doi.org/10.1108/01443570310476636

MIGUEL, P. A. C. et al. Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

MULLER, H.; BAERTSOEN, G.; VANMAELE, H. Using simulation games within the “CIL_SIM” integrated educational framework for the acquisition of problem solving techniques in industrial management. In: RIIS, J.(org.). Simulation Games and Learning in Production Management. London: Chapman & Hall, 1995.

PACHECO, D. A., et al. Modelo de gerenciamento da capacidade produtiva: integrando teoria das restrições e o índice de rendimento operacional global (IROG). Revista Produção Online, v. 12, n. 3, p. 806, 13 ago. 2012. http://dx.doi.org/10.14488/1676-1901.v12i3.981

PINTO, C. P. et al. Planejamento, condução e análise do método de avaliação de uma disciplina do curso de engenharia de produção fundamentada na aprendizagem baseada em problemas. Revista Produção Online, v. 15, n. 2, p. 671, 15 jun. 2015. http://dx.doi.org/10.14488/1676-1901.v15i2.1936

PONCIANO, T. M.; GOMES, F. C. DE V.; MORAIS, I. C. DE. Metodologia ativa na engenharia: verificação da abp em uma disciplina de engenharia de produção e um modelo passo a passo. Revista Principia, n. 34, p. 32–39, 2017.

RIIS, J. O. Simulation Games and learning in production management. London: Schapman & Hall, 1995.

ROCHA, H. M.; LEMOS, W. D. M. Metodologias Ativas: do que estamos falando? Base conceitual e relato de pesquisa em andamento. IX Simpósio Pedagógico e Pesquisas em Comunicação. Anais...2011.

RODRIGUES, L. H. Apresentação e Análise Crítica da Tecnologia da Produção Otimizada (Optimized Production Technology - OPT) e da Teoria das Restrições (Theory of Constraints – TOC). In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XIV, 1990. Anais.... Florianópolis/SC, 1990.

SANTOS, L. C.; ARNAUD, L. D. M.; DUTRA, J. B. Uma dinâmica para o ensino da matriz produto-processo: roteiro e aplicação. Revista Produção Online, v. 14, n. 3, p. 1129, 18 ago. 2014. http://dx.doi.org/10.14488/1676-1901.v14i3.1700

SCHAFRANSKI, L. E. Jogos de gestão da produção: desenvolvimento e validação. 2002. 195 f.. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

SCHAFRANSKI, L. E.; TUBINO, D. F. Simulação Empresarial em Gestão da Produção. São Paulo: Atlas, 2013.

SOUZA, F. Do OPT à Teoria das Restrições: avanços e mitos. Production Journal, v. 15, n. 2, p. 184-197, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132005000200005

SRIKANTH, Mokshagundam. TPC, gerenciamento de pulmões e classificação de fluxo VATI. In: COX III, James F; SCHLEIER, Jr. John G (org.). Handbook da teoria das restrições. Porto Alegre: Bookman, 2013.

VARGAS, E. J., et al. Metodologia tiva de ensino- aprendizagem no ensino de operações de manufatura : O uso do opt game em abordagens da teoria das restrições. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCÃO, 36. 2016. Anais... . João de Pessoa: 2016.

VIGOTSKY, L. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 11. ed. São Paulo: Ícne, 2010.

WALS, A. E. J. Sustainability in higher education in the context of the UN DESD: a review of learning and institutionalization processes. Journal of Cleaner Production, v. 62, p. 8–15, jan. 2014. https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2013.06.007




DOI: https://doi.org/10.14488/1676-1901.v18i1.2781

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com