Um panorama dos níveis de ruído para conforto acústico de ambientes de ensino com vdt em áreas das regiões brasileiras

Maryana Scoralick de Almeida Tavares, Luiz Bueno da Silva, Erivaldo Lopes de Souza

Resumo


As instituições de ensino têm papel fundamental na formação dos indivíduos, influenciando direta e indiretamente em questões sociais, econômicas e ambientais. Dentre os problemas de conforto ambiental mais encontrados em ambientes de ensino, destacam-se os excessivos níveis de ruído, que afetam o processo de ensino-aprendizagem. O objetivo deste trabalho é avaliar os parâmetros de níveis de ruído de seis laboratórios de informática com Video Display Terminals (VDTs) de Centros de Tecnologia de Instituições de Ensino Superior (IES) em áreas das regiões brasileiras, avaliando o comportamento e a conformidade do seu nível de ruído equivalente (LAeq) e elaborando um modelo matemático que compare os níveis de ruído entre as instituições. A conformidade dos níveis de ruído foi avaliada segundo a NBR 10152/1987, a ANSI S12.60-2002 e as diretrizes da Organização Mundial da Saúde. O estudo se trata de uma pesquisa experimental, cujas medições técnicas foram realizadas de acordo com a NBR 10151/2000. A análise descritiva mostrou que os seis ambientes de ensino avaliados apresentaram LAeq superiores aos valores estabelecidos nas normas aplicáveis. Criou-se um modelo linear generalizado para comparar os níveis de ruído entre os laboratórios das instituições, que corroborou os resultados obtidos na análise descritiva. Avaliaram-se os aspectos arquitetônicos dos laboratórios e concluiu-se que os elevados níveis de ruído podem estar vinculados aos baixos coeficientes de absorção dos materiais presentes nessas salas. A originalidade está na análise das diferenças dos níveis de ruídos entre os laboratórios a partir de uma modelagem matemática, mas levando-se em consideração os aspectos arquitetônicos.

Palavras-chave


Ruído. Sala de aula. Laboratório de informática. VDT. Discente.

Texto completo:

PDF ♪ÁUDIO♪

Referências


AMERICAN NATIONAL STANDARDS INSTITUTE. ANSI S12.60-2002: Acoustical performance criteria, design requirements, and guidelines for schools. New York: Acoustical Society of America, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR-10151: Avaliação do ruído em áreas habitadas visando o conforto da comunidade procedimento. Rio de Janeiro: ABNT, 2000.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR-10152: Níveis de ruído para o conforto acústico. Rio de Janeiro: ABNT, 1987.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR-12179: Tratamento acústico em recintos fechados. Rio de Janeiro: ABNT, 1992.

BARROS, L. C.; SAINT’YVES, J. E. A. Saúde ocupacional: considerações a respeito da perda auditiva induzida por ruído e da disfonia. Produção Online, v. 3, n. 1, 2003. http://dx.doi.org/10.14488/1676-1901.v3i1.612

BERNARDI, N. Avaliação da interferência comportamental do usuário para a melhoria do conforto ambiental em espaços escolares: estudo de caso em Campinas – SP. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). Campinas: Unicamp, 2001.

BRASIL. NR 15: Atividades Insalubres. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 1978.

BRITO, E. C. A. Uma reflexão sobre o conforto acústico em ambiente universitário. Dissertação (Mestrado em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade). Universidade Federal da Bahia, 2016.

CORDEIRO, G. M.; DEMÉTRIO, C. G. B. Modelos lineares generalizados e extensões. Piracicaba: 2008.

DALGAARD, P. Introductory Statistics with R. 2. ed. Dinamarca: Springer, 2008.

DOBSON, A. J.; BARNETT, A. G. An Introduction to Generalized Linear Models. 3. ed. Estados Unidos: CRC Press, 2008.

FREITAS, R. M.: Entre mitos e limites: as possibilidades do adensamento construtivo face à qualidade de vida no ambiente urbano. Tese (Doutorado em Arquitetura) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

FUNDACENTRO. Norma de higiene ocupacional: avaliação da exposição ocupacional ao ruído (NHO 01). Brasília, 2001.

GEMELLI, C. B. Avaliação de conforto térmico, acústico e lumínico de edificação escolar com estratégias sustentáveis e bioclimáticas: o caso da Escola Municipal de Ensino Fundamental Frei Pacífico. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, UFRGS, Porto Alegre, 2009.

GONÇALVES, V. S. B.; SILVA, L. B.; COUTINHO, A. S. Ruído como agente comprometedor da inteligibilidade de fala dos professores. Produção, v. 19, n. 3, p. 466-76, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132009000300005

IIDA, I.; BUARQUE, L. Ergonomia: projeto e produção. 3. ed. São Paulo: Blucher, 2016.

KLEINER, M. Acoustics and audio technology. 3. ed. Estados Unidos: J. Ross Publishing, 2012. 456p.

KOWALTOWSKI, D. C. C. K. Arquitetura escolar: o projeto do ambiente de ensino. 1. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.

JADIR, T. T.; LIMA, M. G. Propriedades acústicas de materiais de construção para uso em edificações no entorno de aeroporto. ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA, 15., 2009. Anais... São Paulo, 2009.

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. R. Eficiência energética na arquitetura. 3. ed. Rio de Janeiro: Eletrobrás, 2014.

LIMA, K. C. S. Avaliação da exposição ao ruído ocupacional em policiais militares do motopatrulhamento. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Universidade Federal da Paraíba, 2015.

MUELLER, C. M. Espaços de ensino-aprendizagem com qualidade ambiental: o processo metodológico para elaboração de um anteprojeto. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). São Paulo: USP, 2007.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Guidelines for community noise. Suíça, 1999. Disponível em: .

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Noise. Dinamarca, 2016. Disponível em: .

PARK, S. B. et al. Environmental measurements of classrooms at the Florida A and M University. In: Architectural Research Centers Consortium, 2015, Chicago. Proceedings… Chicago: Perkins+Will, 2015, p. 434-441.

PELEGRÍN-GARCÍA, D.; BRUNSKOG, J. Speakers’ comfort and voice level variation in classrooms: laboratory research. Journal of the Acoustic Society of America, Estados Unidos, v. 132, n. 1, pp. 249-260, 2012. https://doi.org/10.1121/1.4728212

RABELO, A. T. V. et al. Efeito das características acústicas de salas de aula na inteligibilidade de fala dos estudantes. CoDAS [online]. 2014, v. 26, n.5, p. 360-366. http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20142014026

VALLE, S. Manual prático de acústica. 3. ed. Rio de Janeiro: Música & Tecnologia, 2009.

ZANNIN, P. H. T.; ZWIRTES, D. P. Z. Evaluation of the acoustic performance of classrooms in public schools. Applied Acoustics, v. 70, n. 4, p. 626-635, 2009. https://doi.org/10.1016/j.apacoust.2008.06.007

ZANNIN, P. H. T.; FERREIRA, A. M.; SANT’ANA, D. Q. Comparação do tempo de reverberação e índice de transmissão da fala (STI) em salas de aula construídas em décadas diferentes. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 9, n. 3, p. 125-139, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.14488/1676-1901.v17i4.2694

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com