Análise de viabilidade econômica da implantação de um sistema de energia fotovoltaico nas residências uberabenses

Flávia de Castro Camioto, Vanessa Peres Rezende Garcia Gomes

Resumo


A energia elétrica no Brasil tem tido uma crescente demanda, fazendo com que ocorra questionamentos a respeito das fontes geradoras e seus impactos na sociedade e no meio ambiente. Assim, cada vez mais se fala na necessidade de utilizar fontes renováveis para gerar energia. A energia solar é uma energia limpa e apresenta um enorme potencial, porém, no Brasil, nem sempre o seu uso é economicamente viável em comparação com outras fontes energéticas, como as hidrelétricas. O objetivo deste trabalho é analisar a viabilidade econômica da implantação de um sistema fotovoltaico em residências na cidade de Uberaba - MG. Para atingir o objetivo proposto, foi utilizado o valor presente líquido (VPL) e a taxa interna de retorno (TIR), além da Simulação de Monte Carlo para o cálculo do risco da implementação desse sistema em cada bandeira tarifária vigente. Os resultados indicam que é viável investir em energia fotovoltaica em residências de Uberaba - MG quando a bandeira tarifária estiver amarela ou vermelha, sendo que na vigência da bandeira verde o risco desta implantação ser inviável é maior que 90%. Esses resultados consideraram a atual situação econômica brasileira, com a Taxa Mínima de Atratividade igual a 9,15%, próxima à taxa Selic.


Palavras-chave


Energia Solar. Sistema Fotovoltaico. Viabilidade Econômica. Residências. Risco.

Texto completo:

PDF ♪ÁUDIO♪

Referências


ABINEE - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Propostas para inserção da energia solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira, 2012. Disponível em: http://www.abinee.org.br/informac/arquivos/profotov.pdf. Acesso em: 08 set. 2014.

AGUILAR, R.S; OLIVEIRA, L.C.S; ARCANJO, G.L.F. Energia renovável : os ganhos e os impactos sociais , ambientais e econômicos nas indústrias brasileiras. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 32., 2012. Anais.... Bento Gonçalves. Rio Grande do Sul: UFRGS, 2012.

ALVEZ,G; NASICMENTO,R. Fontes alternativas e renováveis de energia no Brasil: métodos e benefícios ambientais. Disponível em: http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2016/anais/arquivos/0859_1146_01.pdf. Acesso em: 07 set. 2017.

ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica. Resolução Normativa N°482, 2014. Disponível em: http://www.solenerg.com.br/blog/wp-content/uploads/2012/04/Resolucao-ANEEL-2012-482-Fotovoltaica-conectada-a-rede-Sistema-de-compensacao-de-energia.pdf. Acesso em: 09 jul. 2014.

ANEEL. Energia solar, 2016. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/aplicacoes/atlas/pdf/03-energia_solar(3).pdf. Acesso em: 07 set. 2017.

BANCO CENTRAL. Histórico das taxas de juros, 2017. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/Pec/Copom/Port/taxaSelic.asp. Acesso em: 11/09/2017.

BAPTISTA, A. Análise da Viabilidade Econômica da utilização de aquecedores solares de água em resorts no nordeste do Brasil. 2016. 156f. Dissertação (Mestre em ciências em planejamento energético), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2016.

BLANK,L; TARQUIN,A. Engenharia econômica. 6. ed. São Paulo: AMGH Editora Ltda, 2008. 743p.

BURDA, A. E.; BALTAZAR, B. P. M.; BERNARDO, J. I. Evolution of renewable energy in Brazil. 3rd International Conference on Clean Electrical Power: Renewable Energy Resources Impact, ICCEP 2011. Ischia. 316-319 p.

CÂMARA, C. Sistemas fotovoltaicos conectados à rede elétrica. 68 p. Dissertação (Monografia) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2011.

CAMIOTO, F. C.; Mariano, E. M. ; REBELATTO, D. A. N. Efficiency in Brazil's industrial sectors in terms of energy and sustainable development. Environmental Science & Policy, v. 37, p. 50-60, 2014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.envsci.2013.08.007

CASARO, M.; MARTINS, D. Processamento eletrônico da energia solar fotovoltaica em sistemas conectados à rede elétrica. Revista Controle & Automação, v. 21, n. 2, p. 159 -172, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-17592010000200005

CEMIG. O que são as redes inteligentes de energia?, 2017. Disponível em: http://www.cemig.com.br/pt-br/A_Cemig_e_o_Futuro/sustentabilidade/nossos_programas/Redes_Inteligentes/Paginas/as_redes_inteligentes.aspx. Acesso em: 13 set. 2017.

CRESESB. Atlas solatimétrico do Brasil, 2000. Disponível em: http://www.cresesb.cepel.br/publicacoes/download/Atlas_Solarimetrico_do_Brasil_2000.pdf. Acesso em: 07 set. 2017.

CRESESB - Centro de Referência para Energia Solar e Eólica. Tutorial de energia solar fotovoltaica, 2014. Disponível em: http://www.cresesb.cepel.br/content.php?cid=301. Acesso em: 7 jul. 2014.

ECOTURISMO. O que é energia renovável, 2009. Disponível em: http://revistaecoturismo.com.br/turismo-sustentabilidade/o-que-e-energia-renovavel/. Acesso em: 13 ago. 2017.

EFICIEN. Alemanha é o país com maior investimento em energia solar do mundo, 2014. Disponível em: http://www.eficien.com.br/noticias/alemanha-e-o-pais-com-maior-investimento-em-energia-solar-do-mundo/. Acesso em: 12 maio 2015.

EPE. Empresa de Pesquisa Energética. Análise da inserção da geração solar na matriz elétrica brasileira, 2012. Disponível em: http://www.mme.gov.br. Acesso em: 17 out. 2012.

FERREIRA,A;KUNH,S;FAGNANI,K;SOUZA,T;TONEZER,C;SANTOS,G;ARAÚJO,C. Economic overview of the use and production of photovoltaic solar energy in Brazil. Renewable and Sustainable Energy Reviews. v. 81, p.181-191, 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rser.2017.06.102

FREIRE, L.M. et al. Perspectives of Smart Grid in the Brazilian Electricity Market. IEEE PES Conference on Innovative Smart Grid Technologies Latin America SGT LA 2011 - Conference Proceedings, n. 6083181. DOI: https://doi.org/10.1109/ISGT-LA.2011.6083181

FREITAS, I. M. B.; DANTAS, F.; IIZUKA, M.The Kyoto mechanisms and the diffusion of renewable energy technologies in the BRICS. Energy Policy, v. 42, p. 118 – 128, 2012.

GIAMPIETRO, U; RACY, J. Viabilidade econômica da energia solar nas áreas rurais do nordeste brasileiro. 12p. Mackenzie, 2004. DOI: https://doi.org/10.1016/j.enpol.2011.11.055

GOLDEMBERG, J.; MOREIRA, J. R. (2005). Política energética no Brasil. Estudos Avançados, v. 19, n. 55, p. 215-228, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142005000300015

HATTENBERGER M. O potencial da energia eólica e solar no Brasil. Swisscam Brasil Magazine. Ed. 66, 2011. Disponível em: www.swisscam.com.br . Acesso em: 29 nov. 2011.

HIDAKA, R. Estudo de viabilidade para racionalização energética do instituto criança cidadã. 11p. Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

IEA. Energy technology perspectives 2017. Disponível em: http://www.iea.org/etp2017/summary/. Acesso em: 13 set. 2017.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada. Sustentabilidade ambiental no Brasil: biodiversidade, economia e bem-estar humano. Brasília, Ipea, 2010.

IRENA. Jobs Annual Review, 2015. Disponível em: http://www.irena.org/DocumentDownloads/Publications/IRENA_RE_Jobs_Annual_Review_2015.pdf. Acesso em: 07 set. 2017.

IRENA. Jobs Annual Review, 2016. Disponível em: http://www.irena.org/DocumentDownloads/Publications/IRENA_RE_Jobs_Annual_Review_2016.pdf. Acesso em: 07/09/2017.

KUPFER,D; HASENCLEVER,L. Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013. DOI: https://doi.org/10.1016/B978-85-352-6368-8.00007-4

LAFAY; STEPHANE, J. Análise energética de sistemas de aquecimento de água com energia solar e gás. 173 p. Dissertação: Doutorado Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

LIOR, N. The current status and possible sustainable paths to energy “generation” and Use. Nuclear & Renewable Energy Conference (INREC), 2010 1st International. DOI: https://doi.org/10.1109/INREC.2010.5462556

MARTINS, T.A.D.L., ADOLPHE, L., BASTOS, L.E.G., MARTINS, M.A.D.L. Sensitivity analysis of urban morphology factors regarding solar energy potential of buildings in a Brazilian tropical contexto. Solar Energy, v. 137, p. 11-24, 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.solener.2016.07.053

MME - Ministério de Minas e Energia. Projeção da demanda de energia elétrica. Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.epe.gov.br/mercado/Documents/DEA%2003-2015-%20Proje%C3%A7%C3%B5es%20da%20Demanda%20de%20Energia%20El%C3%A9trica%202015-2024.pdf. Acesso em: 20 jul. 2015.

O TEMPO. Tributos fazem valor da conta de energia variar mês a mês, 2015. Disponível em: < http://www.otempo.com.br/capa/economia/tributos-fazem-valor-da-conta-de-energia-variar-m%C3%AAs-a-m%C3%AAs-1.1078723>. Acesso em: 13/09/2017.

PALISADE. Simulação de Monte Carlo, 2014. Disponível em: http://www.palisade-br.com/risk/monte_carlo_simulation.asp. Acesso em: 25 abr. 2016.

PEREIRA, M. G.; FREITAS, M. A.; SILVA, N. F. Rural electrification and energy poverty: empirical evidences from Brazil. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 14, n. 4, p. 1229-1240, 2010. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rser.2009.12.013

PORTAL BRASIL. Nova regra estimula consumidor a gerar energia elétrica, 2016. Disponível em: < http://www.brasil.gov.br/infraestrutura/2016/03/nova-regra-estimula-consumidor-a-gerar-energia-eletrica>. Acesso em: 18 jul. 2016.

RUTHER R, ZILLES R. Making the case for grid-connected photovoltaics in Brazil. Energy Policy, v.39, n.3, p.1027–30, 2011. DOI: https://doi.org/10.1016/j.enpol.2010.12.021

RUTHER, R; JUNIOR, L; BITTENCOURT, A; DRUDE, L; SANTOS, I. Strategies for Plug-in Eletric Vehicle-to-grid (V2G) and Photovoltaics (PV) for peak demand reduction in urban regions in a smart grid environment. In: RAJAKARUNA S., SHAHNIA F., GHOSH A. (eds) Plug in electric vehicles in smart grids. Power Systems. Springer, Singapore, 2015.

SAMANEZ, C.P. Engenharia econômica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

SANTOS,F.C.M., SANTOS,F.M.S.M. Geração distribuída versus centralizada. Millenium. Journal of Education, Technologies, and Health, v. 13, n. 35, 2016.

SENA, L.A., FERREIRA, P., BRAGA, A.C. Social acceptance of wind and solar power in the Brazilian electricity system. Environment, Development and Sustainability, v.18, n. 5, p. 1457-1476, 2016. DOI: https://doi.org/10.1007/s10668-016-9772-0

SILVA, R. M. Energia solar no Brasil: dos incentivos aos desafios. Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas/CONLEG/Senado, fev. 2015 (Texto para Discussão nº 166). p. 815. Disponível em: www.senado.leg.br/estudos. Acesso em: 22 abr. 2018.

SWIFT-HOOK, D. T.The case for renewables apart from global warming. Renewable Energy, v. 49, p. 147-150, 2012.DOI: https://doi.org/10.1016/j.renene.2012.01.043

TEIXEIRA, A; CARVALHO, M; LEITE, L. Análise de viabilidade para a implantação do sistema de energia solar residencial. 20p. Universidade de Belo Horizonte, Belo Horizonte, 2011.




DOI: https://doi.org/10.14488/1676-1901.v18i4.2649

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com