Atribuições de um time dedicado à gestão da inovação em um grupo industrial brasileiro: um estudo longitudinal baseado em eventos

Júlio Cézar Fonseca de Melo, Raoni Barros Bagno

Resumo


Inúmeros estudos têm ressaltado o desafio de empresas para gerir a inovação de forma sistemática. Vertente mais recente tem explorado casos em que essa prática está atrelada à constituição de uma função organizacional específica (i.e. Função Inovação - FI). O conceito de função organizacional adotado nesse contexto é a existência de um grupo de pessoas identificável com uma missão definida na organização. Apesar de tal avanço, demanda-se maior entendimento acerca de como a Função Inovação se consolida ao longo do tempo no ambiente organizacional. O presente artigo traz um estudo da dinâmica de implantação dessa função em um grupo industrial brasileiro. A partir de levantamento longitudinal de 3,5 anos que mapeou a sequência de eventos envolvendo o time de trabalho da FI, buscou-se compreender como se deu o desdobramento de suas atribuições (e.g. geração de ideias, gestão de portfólio, busca por fomento e incentivos fiscais, formação de parcerias). Ao final, o estudo apresenta considerações sobre a dinâmica do processo de consolidação da FI, sugere relações causais entre diferentes atribuições para posterior aprofundamento e identifica as atribuições mais relevantes para o caso analisado.


Palavras-chave


Gestão da inovação. Função organizacional. Função inovação.

Texto completo:

PDF ♪ÁUDIO♪

Referências


BAGNO, R.B. Inovação como uma nova função organizacional: caracterização a partir da experiência de empresas industriais de grande porte no Brasil. 2014. 199p. (Doutorado). Escola Politécnica, USP, São Paulo.

BAGNO, R.B.; SALERNO, M.S.; DA SILVA, D.O. Models with graphical representation for innovation management: a literature review. R&D Management, 2016. ISSN 1467-9310.

BAGNO, R.B.; SALERNO, M.S.; DIAS, A.V.C. Innovation as a new organizational function: evidence and characterization from larg

BESSANT, J. et al. Managi e industrial companies in Brazil. Production Journal, 2017. ng innovation beyond the steady state. Technovation, v. 25, n. 12, p. 1366-1376, 2005. https://doi.org/10.1016/j.technovation.2005.04.007

BESSANT, J.; TIDD, J. Inovação e Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, 2009. 512 p.

CHANDLER JR., A. D. (1998). Ensaios para uma teoria histórica da grande empresa. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

DTI. Innovation Report: Competing in the global economy: the innovation challenge. DTI. 2003

FIGUEIREDO, P.N. Gestão da Inovação: conceitos, métricas e experiências de empresas no Brasil. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

GALIA, F.; LEGROS, D. Complementarities between obstacles to innovation: evidence from France. Research Policy, v. 33, n. 8, p. 1185-1199, 2004. https://doi.org/10.1016/j.respol.2004.06.004

GIBSON, R. Making Innovation a Systemic Capability. 2010 Disponível em:

http://www.rowangibson.com/images/stories/RGres/RGArticles/A116_MakingInnovationASystemicCapability_IdeaConnection_USA_Apr2010.pdf >.Acesso em: 11 Jan 2013.

KANTER, R.M.; STEIN, B.A.; JICK, T.D. The Challenge of Organizational Change: How companies experience it and leaders guide it. New York: Free Press, 1992.

KELLEY, D.J.; PETERS, L.; O'CONNOR, G.C. Intra-organizational networking for innovation-based corporate entrepreneurship. Journal of Business Venturing, v. 24, n. 3, p. 221-235, 2009. https://doi.org/10.1016/j.jbusvent.2008.05.010

KEUPP, M.M.; PALMIE, M.; GASSMANN, O. The Strategic Management of Innovation: A Systematic Review and Paths for Future Research. International Journal of Management Reviews, v. 14, n. 4, p. 367-390, 2012. https://doi.org/10.1111/j.1468-2370.2011.00321.x

LANGLEY, A. Strategies for theorizing from process data. Academy of Management Review, v. 24, n. 4, p. 691-710, 1999.

MALDONADO, M.U.; DIAS, N.; VARVAKIS, G. Managing innovation in small high-technology firms: a case study in Brazil. Journal of Technology Management & Innovation, v. 4, n. 2, p. 130-142, 2009. ISSN 0718-2724.

MALDONADO, M.U.; VAZ, C.R.; DIAS, N. Innovation Management in Brazilian Smes: Mapping out Innovation Practices and Performance. IAMOT (International Association for Management of Technology) 2014.

MELO, J.C.F.D. et al. Building innovation capability: lessons from a Brazilian Industrial Group. R&D Management. Cambridge - UK 2016.

MINTZBERG, H., AHLSTRAND, B., LAMPEL, J. Safari de estratégia: um roteiro pela

selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000.

MOTTA, P.R. Transformação organizacional. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1998.

NELSON, R.R.; WINTER, S.G. An Evolutionary Theory os Economic Change. Cambridge, Mass; London: : The Belknap Press of of Havard University Press, 1982.

O'CONNOR, G.C. Innovation: From Process to Function. Journal of Product Innovation Management, v. 29, n. 3, p. 361-363, 2012. https://doi.org/10.1111/j.1540-5885.2012.00909.x

O'CONNOR, G.C. et al. Grabbing Lightning: Building a Capability for Breakthrough Innovation. San Francisco: John Wiley & Sons, 2008. 332p.

SKARZYNSKI, P.; GIBSON, R. Inovação: prioridade número 1 - o caminho para transformações nas organizações. Campus, 2008. 336p.

TEECE, D.J. Explicating dynamic capabilities: The nature and microfoundations of (sustainable) enterprise performance. Strategic Management Journal, v. 28, n. 13, p. 1319-1350, Dec 2007. https://doi.org/10.1002/smj.640

WOOD JÚNIOR, T. Mudança organizacional. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2004. 334p.

YIN, R.K. Case study research: design and methods. 3ed..Thousand Oaks, CA: Sage, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.14488/1676-1901.v17i2.2376

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com