Aumento do desempenho fabril sob a luz da teoria das restrições: o caso de uma fábrica de colchões

André Luiz Emmel Silva, Vicente Cunha da Silva, Liane Mahlmann Kipper, Fernando Sansone de Carvalho, Jorge André Ribas Moraes

Resumo


A Teoria das Restrições (TOC) possibilita identificar, controlar e gerenciar da melhor maneira os gargalos em qualquer sistema produtivo por meio de cincos passos para o gerenciamento das restrições. O objetivo do presente trabalho é aumentar o desempenho do processo produtivo com a eliminação dos gargalos através da aplicação da Teoria das Restrições e das diretrizes dos seus cinco passos de focalização em uma indústria de colchões situada no Rio Grande do Sul. A pesquisa foi realizada com cunho objetivo exploratório e descritivo à Teoria das Restrições, pesquisa-ação com intervenções e ainda outras técnicas de avaliação, análise e identificação para melhoria no processo, em que se apresentam como ferramentas de auxílio. Os resultados encontrados relacionam-se com a identificação dos gargalos, noção do processo gargalo e sua eliminação. Na etapa 2 da TOC 1 (realizada no setor de revisão e embalagem), a quantidade de peças por hora aumentou de 43 para 51 o que significa 18,6%, onde posteriormente na etapa 4 de 51 para 72 peças, ou seja, um aumento de 41%, em decorrência da compra de um embaladora automática, sendo que ainda nesta TOC, foi possível a redução de 5 para 3 funcionários. Com a TOC 2 (realizada no setor de montagem) a evolução de peças foi de 59 para 71, cerca de 24%, devido as mudanças de layout e fluxo de produção contando ainda com a redução de 17 para 11 funcionários no setor. Com os resultados obteve-se ganhos significativos em produtividade, melhorando-se assim a performance da unidade fabril

Palavras-chave


Teoria das restrições. Gargalo. Melhoria contínua. Indústria de colchões

Texto completo:

PDF ♪ÁUDIO♪

Referências


ANDRADE, E. L. Introdução a pesquisa operacional. Rio de Janeiro: LTC, 2014.

BLACKSTONE, John H. Theory of constraints : a status report. International Journal of Production Research, v. 39, n. 6, p.1053-1080, 2001. http://dx.doi.org/10.1080/00207540010028119

BOSCHETTO, S. N. LUDERS, R.; NEVES JR., F.; ARRUDA, L. V. R. Um modelo de otimização da operação de terminais petrolíferos usando a teoria das restrições como pré-processamento. Pesquisa Operacional, v. 29, n.1, p.1-21, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-74382009000100001

BOYD, L.; GUPTA, M. Constraints management: what is the theory? International Journal of Operations & Production Management, v. 24, n. 4, p. 370-371, 2004. http://dx.doi.org/10.1108/01443570410524631

CALIA, R. C.; GUERRINI, F. M. Six Sigma project for scheduling software implementation. Production, v.15, n. 3, p. 322-333, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132005000300004

CARVALHO, F. S. A ecoeficiência dos processos do sistema de gestão de uma fábrica de colchões e estofados baseado nos suas não conformidades: estudo de caso. 2011. 76f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia Ambiental) - Universidade de Santa Cruz do Sul, 2011.

CHIAVENATO, I. Introdução a teoria geral da administração. 7. ed. Rio de Janeiro: Elseiver, 2003.

CONTADOR, José Celso (Coord.). et al. Gestão de Operações: a engenharia de produção a serviço da modernização da empresa. São Paulo: Edgar BlücherLTDA, 1998.

COSTER, I.; FOURNIE, X.; FAURE, C.; ZIANI, E.; NICOLAS, L.; SOUBEYRAND, B.; DAMME, P. V. Assessment of preparation time with fully-liquid versus non-fully liquid paediatric hexavalent vaccines - a time and motion study. Vaccine, v. 33, n. 32, p. 3976-3982, 2015. http://dx.doi.org/10.1016/j.vaccine.2015.06.030

COX III, J. F.; SPENCER, M. S. Manual da teoria das restrições. Porto Alegre: Bookman, 2002.

DALTON, Michael A. What's Constraining Your Innovation?, Research-Technology Management, v. 52, n. 5, p. 52-64, 2009.

GOLDRATT, E. M.; COX, J. A meta: um processo de melhoria contínua. 2. ed., rev. e ampl. São Paulo: Nobel, c2003.

GUPTA, Mahesh; KLINE, Joseph. Managing a community mental health agency: a theory of constraints based framework. Total Quality Management, v.19, n.3, p. 281-294, 2008.

GUPTA, Mahesh, et al. Improving the weakest link: a TOC-based framework for small businesses. Total Quality Management, v. 21, n. 8, p. 863-883, 2010. http://dx.doi.org/10.1080/14783360701601850

INMAN, R. A.; SALE, M. L.; GREEN JR, K. W. Analysis of the relationships among TOC use, TOC outcomes, and organizational performance. International Journal of Operations & Production Management, v. 29, n. 4, p. 341-356, 2009.

http://dx.doi.org/10.1108/01443570910945819

LACHTERMACHER, G. Pesquisa operacional na tomada de decisão. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

LENORT, R.; KLEPEK, R.; SAMOLEJOVÁ, A. Heurisic algorithm for planning and scheduling of forged pieces heat treatment. Metalurgija, v. 51, n. 2, p. 225-228, 2012,

LOPETEGUI, M.; YEN, P.Y.; LAI, A.; JEFFRIES, J.; EMBI, P.; PAYNE, P. Time motion studies in healthcare: what are we talking about? Journal of Biomedical Informatics, v. 49, p. 292-299, 2014. http://dx.doi.org/10.1016/j.jbi.2014.02.017

MABIN, V. J.; BALDERSTONE, S. J. The Performance of the theory of constraints methodology: analysis and discussion of successful TOC applications. International Journal of Operations and Production Management, v. 23, n. 6, p. 568-595, 2003.

http://dx.doi.org/10.1108/01443570310476636

MOREIRA, D. A. Administração da produção e operações. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

MOVERGS: Associação das Indústrias de Móveis do Estado do Rio Grande do Sul; Relatório setorial 2014, pólo moveleiro do Rio Grande do Sul. Disponível em: Acesso em: 15-05-2015.

NAOR, M.; BERNARDES, E. S.; COMAN, A. Theory of constraints: is it a theory and a good one? International Journal of Production Research. v. 51, n. 2, p. 542–554, 2013. http://dx.doi.org/10.1080/00207543.2011.654137

OLIVEIRA, U. R.; MARINS, F. A. S.; ALMEIDA, D. A. Integrating operations management techniques and procedures: an application in a major Brazilian bank. Production, v. 20, n. 2, p. 237-250, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132010005000008

PACHECO, D. A J. Integrando a estratégia de produção com a teoria das restrições, lean e seis sigma: uma abordagem metodológica (Dissertação de Mestrado). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo - RS. 2012.

PACHECO, D. A. J. Teoria das restrições, lean manufacturing e seis sigma: limites e possibilidades de integração. Production, v. 24, n. 4, p. 940-956, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132014005000002

PERGHER, I.; RODRIGUES, L. H.; LACERDA, D. P. Theoretical discussion of the concept of wastes in the Toyota production system: introducing the throughput logic of the theory of constraints. Gestão e Produção, v. 18, n. 4, p. 673-686, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2011000400001

PRATES, C. C.; BANDEIRA, D. L. Aumento de eficiência por meio do mapeamento do fluxo de produção e aplicação do índice de rendimento operacional global no processo produtivo de uma empresa de componentes eletrônicos. Gestão e Produção. v.18, n.4, p. 705-718, 2011.http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2011000400003

PRETORIUS, Pieter. Introducing in-between decision points to TOC’s five focusing steps. International Journal of Production Research, v. 52, n.2, p. 496-506, 2014. http://dx.doi.org/10.1080/00207543.2013.836612

QUELHAS, O.; BARCAUI, A. B. A teoria das restrições aplicada a gerência de projetos: uma introdução à corrente crítica. [2008]. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2016.

RITZMAN, L. P.; KRAJEWSKI, L. J. Administração da produção e operações. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2004.

SANTOS, A. R. Metodologia científica: a construção do conhecimento. 4. Ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da produção. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

SOBREIRO, V. A.; NAGANO, M. S. Um novo método heurístico para a otimização de mix de produção baseado na teoria das restrições e no problema da mochila. Revista Produção Online, v. 13, n.2 p. 520-543, 2013. http://dx.doi.org/10.14488/1676-1901.v13i2.1125

SOUZA, F. B. From the OPT to the theory of constraints: advances and myths. Production, v. 15, n. 2, p. 184-197, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132005000200005

SUGAI, M. Avaliação do uso do MTM (Methods-Time Measurement) em uma empresa de metal-mecânica. 2003. 115 f. Dissertação de mestrado (Mestre em Engenharia Mecânica) - Faculdade de Engenharia Mecânica, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

THIOLLENT, M. J. M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2008.

TOLEDO JUNIOR, I. F. B. Cronoanálise. 13. ed. Mogi das Cruzes: O&M Itys-Fides, 1995. 205 p. (Série Racionalização industrial)

WATSON, K. J.; BLACKSTONE, J. H.; GARDINER, S. C. The evolution of a management philosophy: the theory of constraints. Journal of Operations Management, n. 25, n. 2, p. 387-402, 2007. http://dx.doi.org/10.1016/j.jom.2006.04.004

WU, H. H.; LEE, A. H. I.; TSAI, T. P. A two-level replenishment frequency model for TOC supply chain replenishment systems under capacity constraint. Computers & Industrial Engineering, v. 72, p. 152-159, 2014. http://dx.doi.org/10.1016/j.cie.2014.03.006

WU, H. H.; CHEN, C. P.; TSAI, C. H.; TSAI, T. P. A study of an enhanced simulation model for TOC supply chain replenishment system under capacity constraint. Expert Systems with Applications, v. 37, n. 9, p. 6435-6440, 2010. http://dx.doi.org/10.1016/j.eswa.2010.02.074

ZIVALJEVIC, A. Theory of constraints - application in land transportation systems. Management of Environmental Quality: An International Journal, v. 26, n. 4, p. 505-517, 2015. http://dx.doi.org/10.1108/MEQ-07-2014-0110




DOI: http://dx.doi.org/10.14488/1676-1901.v17i1.2321

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


R. Eletr. de Eng. de Produção e Correlatas - ISSN 1676-1901 Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).                           Contato: producaoonline@gmail.com