Avaliação da eficiência energética na iluminação pública: proposta de modelagem considerando a variabilidade climática

Autores

  • Amaury Caruzzo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) Grupo de Estudos de Análise de Decisão (GEAD)
  • Luiz Augusto Horta Nogueira Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais. Campus Universitário Pinheirinho 37500-050 - Itajuba, MG - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.14488/1676-1901.v15i4.1974

Palavras-chave:

Engenharia de Energia. Método por Demanda Climática. Climatologia. Insolação. Procel.

Resumo

O objetivo deste artigo é propor uma metodologia para avaliar os impactos da variabilidade climática no consumo eficiente de energia elétrica na iluminação pública no Brasil. Foi aplicado o Método por Demanda Climática (MDC) e calculado a economia de energia das ações do Programa Nacional de Iluminação Pública Eficiente (ReLuz) em 2005, considerando a climatologia mensal de insolação, desagregadas por mesorregiões brasileiras. Pelo MDC, a economia total de energia na iluminação pública em 2005 foi estimado em 63 GWh/ano ou 1,39% superior do valor determinado pelo ReLuz/Eletrobrás e uma redução na demanda de ponta de aproximadamente 15 MW, considerando os quase 393 mil pontos atendidos no ReLuz neste ano. Os resultados indicam que, além da diferença de latitude, a variabilidade climática nas diferentes mesorregiões é um fator que amplia em até 19% o tempo de utilização diário das lâmpadas na iluminação pública. Além disso, devido às dimensões do Brasil, os padrões de sazonalidade na economia de energia não são homogêneos e tem uma correlação entre a variabilidade mensal de insolação e a latitude das mesorregiões avaliadas. O uso do MDC também demostrou ser adequado para determinar um ranking das mesorregiões com os maiores índices de economia de energia por ponto de iluminação pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amaury Caruzzo, Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) Grupo de Estudos de Análise de Decisão (GEAD)

Possui graduação em Bacharel em Meteorologia pela Universidade de São Paulo (2000) e mestrado em Engenharia de Energia pela Universidade Federal de Itajubá (2008). Atualmente é estudante de Doutorado em Engenharia Aeronáutica no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), colaborador na Divisão de Ciências Atmosféricas do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE/DCTA). Foi membro do CBS Expert Team da World Meteorological Organzation de 2009 a 2012. É Oficial da Reserva da Marinha do Brasil (RM2) e tem experiência na área de Geociências e Pesquisa Operacional, com ênfase em Meteorologia Aplicada e Análise de Decisão, atuando principalmente nos seguintes temas: métodos quantitativos, apoio multicritério à decisão (AMD), estruturação de problemas, análise de risco, instrumentação meteorologia, meteorologia aeroespacial, climatologia e divulgação científica.

Luiz Augusto Horta Nogueira, Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais. Campus Universitário Pinheirinho 37500-050 - Itajuba, MG - Brasil

Possui graduação em Engenharia Mecânica pela Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1978), mestrado em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual de Campinas (1981), especialização em Economia da Energia pela Fundación Bariloche (1985) e doutorado pela Universidade Estadual de Campinas (1987). Foi Cientista Visitante na FAO (Roma, 1997/1998) e Diretor Técnico da Agência Nacional do Petróleo (1998/2004). Atualmente é professor titular do Instituto de Recursos Naturais da Universidade Federal de Itajubá e consultor de agências das Nações Unidas (FAO, CEPAL, PNUD) em temas energéticos. Atua em estudos técnicos, econômicos e ambientais de sistemas energéticos, principalmente relacionados à cogeração, bioenergia (etanol, biodiesel e bioeletricidade) e eficiência energética nos usos finais.

Publicado

2015-12-15

Como Citar

Caruzzo, A., & Nogueira, L. A. H. (2015). Avaliação da eficiência energética na iluminação pública: proposta de modelagem considerando a variabilidade climática. Revista Produção Online, 15(4), 1399–1425. https://doi.org/10.14488/1676-1901.v15i4.1974

Edição

Seção

Artigos